Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011

Jerónimos - Óleo - 1983

 

  

Quadro a óleo de Mestre Real Bordalo (1983)

 

 

Mosteiro dos Jerónimos, foi erigido perto do local onde o Infante D. Henrique, em meados do séc. XV, mandou edificar uma igreja sobre a invocação de Sta. Maria de Belém, quis o rei D. Manuel I construir um grande Mosteiro. Para perpetuar a memória do Infante, pela sua grande devoção a Nossa Senhora e crença em S. Jerónimo, D. Manuel I decidiu fundar em 1496, o Mosteiro de Sta. Maria de Belém, perto da cidade de Lisboa, junto ao rio Tejo. Doado aos monges da Ordem de S. Jerónimo, é hoje vulgarmente conhecido por Mosteiro dos Jerónimos.

O Mosteiro é um referente cultural que não escapou nem aos artistas, cronistas ou viajantes durante os seus cinco séculos de existência. Foi acolhimento e sepultura de reis, mais tarde de poetas. Hoje é admirado por cada um de nós, não apenas como uma notável peça de arquitectura mas como parte integrante da nossa cultura e identidade.

O Mosteiro dos Jerónimos foi declarado Monumento Nacional em 1907 e, em 1983, a UNESCO classificou-o como "Património Cultural de toda a Humanidade".
in:http://www.mosteirojeronimos.pt

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:04
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Novembro de 2011

ROSSIO - Praça do Rossio

 

 

A «PRAÇA D. PEDRO IV (Vulgo ROSSIO) pertence a duas freguesias. À freguesia de «SÃO NICOLAU» os números 1 a 14, à freguesia de «SANTA JUSTA» do número 15 a 22. Esta Praça fica entre a Rua da Betesga, Rua Augusta, Rua dos Sapateiros (também conhecida de Rua do Arco do Bandeira), Rua Áurea(Vulgo OURO), Rua Primeiro de Dezembro (Antiga Rua do Príncipe), Calçada do Carmo, Praça Dom João da Câmara (Antigo Largo Camões), Largo de São Domingos e Rua do Amparo. Por decreto de 31/10/1836 publicado no Diário do Governo 265 de 08/11/1836 a Praça do Rossio passou a denominar-se Praça de Dom Pedro e esta, por Edital de 26/03/1971, passou a designar-se PRAÇA D. PEDRO IV (1). Quem hoje passa apressadamente pelo Rossio, banal paragem de autocarro e táxis e ainda estação de metro, não se quedará a pensar no passado do espaço. Não consciencializará, por isso, que não muito antes da tomada de Lisboa aos Mouros, em 1147, ainda vinham reunir-se ali ao pé dois regatos, provenientes do sítio do «ANDALUZ» e de «ARROIOS», corriam pelos vales que são, nos nossos dias, a AVENIDA DA LIBERDADE e a RUA DA PALMA, ANJOS (e parte da) AVENIDA ALMIRANTE REIS. Uma vez juntos, acabavam, como é natural, no TEJO. Os regatos foram secando e diminuído de importância, dando lugar a terrenos alagadiços, embora susceptíveis de permitir as construções e de servir de sede às reuniões do Povo. Mas, como é sabido, passados mais de oito séculos, ainda a experiência mostra que, mal se escava um pouco, logo aparece água com fartura. Cedo ali surgiu a ermida de «NOSSA SENHORA DA ESCADA» ou da «PURIFICAÇÃO» sensivelmente no local onde hoje fazem esquina a «RUA BARROS QUEIROZ» e o «LARGO DE S.DOMINGOS». E, junto dela, foi erguido no século XIII (por volta de 1242) o «MOSTEIRO DE S.DOMINGOS» o que prova que o terreno já aguentava edificações com algum porte. O Rossio foi assim ganhando características que lhe justificavam o nome, ou seja de lugar amplo onde era possível realizar feiras e marcados, proporcionando ao mesmo tempo simples encontros de cidadãos. Vários nomes foram postos ao espaço: chamou-se «ROSSIO DE SANTA JUSTA», dada a aproximação da Igreja paroquial desse nome (já demolida), situada onde hoje temos as escadinhas que ligam a «RUA DOS FANQUEIROS» à «RUA DA MADALENA»(Edifício POLUX); «ROSSIO DE S.DOMINGOS», obviamente por estar ao lado do respectivo Mosteiro; e «ROSSIO DE VALVERDE», dada a proximidade das hortas com esse nome, hoje transformadas em «AVENIDA DA LIBERDADE».

In : Toponímia de Lisboa

 

 

 

Mestre Real Bordalo - Rossio - Óleo - 1979

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 10:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

Barcos no Cais da Ribeira -Óleo- 1979

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:06
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags