Segunda-feira, 26 de Junho de 2017

ALFREDO MARCENE$IRO - Deixou-nos há 35 anos

 E DEUS LHE DEU A GRAÇA E A ALEGRIA,  DE TER MORRIDO NA SUA FREGUESIA, COMO UM SOLDADO MORRE NO SEU POSTO

 

 

Alfredo Marceneiro faleceu na sua casa  pelas sete horas da manhã do dia 26 de Junho de 1982, contava 91 anos. (*)
O seu corpo esteve em câmara ardente, na Igreja de Santa Isabel, sendo apostas na urna a Bandeira Nacional e a bandeira da cidade de Lisboa por iniciativa do, então, Presidente da edilidade Engº Krus Abecassis e ainda uma guarda de honra permanente prestada pelos Soldados da Paz do Batalhão de Sapadores Bombeiros de Lisboa.
 O Padre designado para fazer as exéquias do funeral de Alfredo Marceneiro desconhecia de todo a sua obra, mas impressionado com os milhares de pessoas presentes no velório, quis esclarecer-se sobre a sua figura. Levou a noite a escutar o José Pracana e este tão eloquentemente lhe falou do seu querido amigo "Ti Alfredo", que no dia do funeral,  o Padre ao dizer a Missa de Corpo Presente, ele próprio com as lágrimas nos olhos enalteceu a sua imagem de lisboeta e fadista, amante da sua cidade e da sua freguesia E a todos surpreendeu, quando recitou os versos que Marceneiro tantas vezes cantou:

 

Alfredo Marceneiro canta:

A Minha Freguesia

 

Se os cantadores todos, hoje em dia
Ruas e bairros cantam, de nomeada
Eu cantarei á minha freguesia
A de Santa Isabel tão afamada

 

Freguesia gentil que não tem par
É talvez de Lisboa, a mais dilecta
De D. Diniz, a rua faz lembrar
O esposo de Isabel o Rei poeta

 

Lembra a Rainha Santa, quando vinha
Transformar o pâo em rosas, com fé tanta
Ela que Santa foi, menos Rainha
Mas foi entre as Rainhas, a mais Santa

 

Poetas e literários, foram seu
Ilustres moradores, geniais
Como Almeida Garrett, João de Deus
Teófilo, Junqueiro e outros mais

 

Freguesia onde enfim, moro também
Onde sempre pisei honrados trilhos
Nela casou a minha querida mãe
E nela é que nasceram os meus filhos

 

Que Deus me dê a graça, a alegria
Na vida tão cheínha, de desgostos
A vir morrer na minha freguesia
Como um soldado morre no seu posto

 

Assim, até na sua morte o Fado acontecia. Cumpriu-se o desejo que Alfredo Marceneiro cantava nos versos escritos pelo poeta Armando Neves.
É de realçar, que não havendo espaço no talhão dos artistas no Cemitério dos Prazeres, a Câmara Municipal de Lisboa, disponibilizou um gavetão perpétuo para repouso dos seus restos mortais.
 Milhares de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre que apesar de ser proibido se efectuou a pé, numa sentida manifestação de pesar desde Santa Isabel até ao Cemitério dos Prazeres.   Guitarristas dedilharam os seus instrumentos, durante todo o percurso, " a sua Marcha" em tom dolente e magoado, que mais parecia um choro de guitarras.
O Povo de Campo d´Ourique estendeu colchas nas janelas, numa homenagem singela ao homem simples do seu bairro.

Todos os orgãos de informação se referiram á efeméride, com títulos de destaque.

 (*) 91 anos em termos de registo de nascimento, mas na realidade tinha 94 anos

 

Chorai Fadistas, chorai...
A morte de Alfredo Marceneiro
— A GRANDE LENDA DO FADO
in Diário de Notícias

 

« Ti Alfredo » deixou-nos

Morreu O REI do FADO.

Morreu aquele a quem apelidaram de
—PATRIARCA do FADO

 

Marceneiro morreu, o fado de luto

Morreu Alfredo Marceneiro
— O MONSTRO do FADO

 

Guitarras choraram por Alfredo Marceneiro
in Correio da Manhã

 

Morreu Alfredo Marceneiro...
 O Fado lisboeta está de luto.
in O Dia

 

De todos os jornais diários que se referiram á efeméride  destaco o artigo assinado pelo jornalista e poeta Fernando Peres que foi seu grande amigo e admirador:

 

GUITARRAS CHORAM NO FUNERAL DE MARCENEIRO
in A Capital


"Não sabemos de quem teria sido a ideia mas não é difícil adivinhá-lo: José Pracana tem alma de poeta e uniu-o sempre ao ti Alfredo uma amizade filial. Talvez pela primeira vez, desde a saída do corpo até ao cemitério dos Prazeres, guitarras e violas choraram o que deixa insubstituível um lugar e foi um intérprete ímpar de várias gerações. Apenas melodias suas foram escutadas por gente que se espalhava pelas janelas para assistir ao cortejo enorme e ouvir um coro imenso de vozes de que Alfredo Duarte (o Marceneiro para toda a gente) era autor e andam na boca de toda a gente.
Esta é uma verdade indesmentível. Se reflectirmos, podemos concluir que a vida e a morte constituem os círculos viciosos do tempo.
A hora que se viveu é uma hora morta. Aquilo que hoje é emoção violenta, constitui amanhã, uma sensação esquecida.
Devemos insistir: esta é uma verdade indesmentível pois existe dentro de cada homem uma tragédia que ele ignora e uma comédia que ele vive. Algumas vezes, a tragédia é caricata ridícula, dá vontade de rir. Mas nunca ninguém riu da tragédia que consigo arrasta. É que a dor é um sinal da vida. Na realidade, só vive quem sabe sofrer...
Por isso ti Alfredo não sofre sózinho. Consigo leva um bocadinho do coração de todos nós. Os ídolos do fado são ídolos do povo. E um desses foi esse extraordinário Alfredo Marceneiro, decano dos intérpretes portugueses e, talvez, mundiais. Quase todos choraram quando foi o «momento da despedida». Mas homens como o ti Alfredo não morrem, nunca. Faltou a madrugada, substituída por um Sol radioso. Mas tudo teve expressão e significado. Valeu pela intenção valiosa e espectacular (houve quem  estivesse de muletas). Se era preciso, foi a consagração de um grande fadista. Quantos o acompanharam, e entre eles o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Leonor Beleza, constituíram um público, sem distinção de classes ali acorrendo a acenar o seu adeus ao maior intérprete da canção, nascida não se sabe onde ecoou em vozes doridas e viciosas nas betesgas das ruelas de Lisboa. Depois, ganhou raça em gargantas aristocráticas e hoje corre mundo na névoa das «boites».
De facto, passam tristezas a desfazer-se e o vento arrasta-se, lentamente, com vagares de cansaço. Já se feriram alegrias em vibrantes risos. Uma lágrima indiscreta espreita um sorriso.
Não o disse? «Felizes os que sabem, colhendo beleza e poesia, refugiar-se em recordações purificadas da mesquinhez do mundo. Felizes os que  são sabem, colhendo inspirados pelo amor, para quem o poente é sempre uma rosa e o azul tem transparências». Teve a sua companheira — a tia Judite — ao seu lado até ao último momento. Mãe dos seus filhos teve até ao final um gesto de amor. «Felizes os que sabem andar feliz o coração no espaço infinito, entre orações, bençãos e perdão. Felizes os que sabem demorar o perfume que o amor deixou».
Lá estiveram os seu amigos. O infalível Júlio Amaro (como podia ele faltar?). E sabe uma coisa? Foi uma manifestação de ternura, neste mundo de egoísmos, cada vez mais fracas.
 Ti Alfredo, até qualquer dia..."

 

Na Revita "MAIS"  de 2 de Julho de 1982, destaca-se aqui o seu editorial e dois artigos da autoria de grandes jornalistas.

 

UM SILÊNCIO NO FADO

"Um silêncio no Fado, eis o que se fez, súbito, no último fim-de-semana.
Morrera Alfredo Marceneiro ou, se preferirem ele mudara de "poiso" para parte incerta onde, afinal, todos acabaremos por beber do mesmo copo — como ele continua, certamente a fazer.
Um silêncio no Fado, eis o que se fez, súbito no último fim-de-semana.
Um silêncio de guitarras e violas, um silêncio de gargantas vazias, um silêncio cúmplice de cantos impossíveis.
Alfredo Marceneiro "diz" agora ali mesmo, ao virar desta esquina, todos o sabemos. Por isso aqui estamos prontos a escutá-lo naqueles que o testemunharam, naqueles que o viveram e conviveram.
Prontos, não a consagrá-lo (que é lá isso?) mas a guardá-lo, nosso."

"MARCENEIRO" — exemplo do fado autêntico

"Sim, é uma verdade indesmentível: os ídolos do Fado são os ídolos do povo. E Alfredo Marceneiro, o «maior» do Fado tinha em si qualquer coisa de indefinível, de boémia atrevida e palpitante a confundir-se com uma ingenuidade quase infantil. Como era ele, afinal?
Igual a si próprio: rezingão e pitoresco, com a sua madeixa preta, a testa enrugada, mantendo ao pescoço o lenço de seda com um nó mal-humorado. Como cantava? Como ninguém: com voz saturada de sensibilidade, uma voz popular e instintiva intérprete como nenhuma outra, da pobreza feliz da cidade e a poesia do seu povo. No Fado, soube sempre poetizar Lisboa. E, por isso, talvez, já não pertence apenas ao Fado e aos que o admiram — é património de Lisboa.
A cidade vai perdendo as suas figuras típicas. Mas ainda tinha em Alfredo Marceneiro um exemplo do Fado autêntico, nascido não se sabe onde mas que vivia na sua alma. Ele possuía a reforma do ofício que foi durante anos um apelido. Chamava-se Alfredo Rodrigo Duarte, o «Marceneiro» para quase todos, «Ti Alfredo» para os fadistas e para os amigos. Andou a roçar os noventa e era ainda uma figura da noite lisboeta. Raros o viram de dia e sempre por ocasiões graves. De resto era a noite que o trazia, envolvendo-o nas suas sombras de mistério. E, parecia conservar nos lábios uma saudade e um beijo quando chegava e dizia: «boa-noite». Sim, era a noite quem o trazia pois é de noite que ele vivia no mundo onde ganhou fama e glória. A sua ronda diária pelas casas típicas (a terminar sempre madrugada alta) era já talvez, uma necessidade de se sentir estimado, acarinhado, vivo para os que lhe queriam bem. O Fado, a sua segunda vida foi,  afinal, a sua vida inteira."

Assina: Fernando Peres

 

E ainda na Revista Mais um artigo de Miguel Esteves Cardoso

 

Ao fadista, Alfredo Marceneiro,

bem ido e bem vindo,

por,ocasião do fim da sua primeira vida (1891 - 1982)

 

"Se, como escreveu D.H. Lawrence, a morte é a única pura e bela conclusão de uma grande paixão, então a morte do fadista Alfredo Marceneiro é, também ela, um acto de paixão.
E é um Fado.
E é uma morte.
Mas um fadista não morre como morreram os outros homens.
A morte não o surpreende nem o leva — é ele que a chama e a ela se entrega. Porque ser fadista é atiçar, cortejar, pedir a morte desde o primeiro momento em que o Fado lhe nasce na voz. Um fadista, ao morrer, vê a sua arte a atingir o ponto máximo de perfeição.
E é um Fado.
E é uma morte.
Mas um fadista não morre como morrem os outros homens.
Ele trata a morte por tu. Conhece-le os jeitos e as manhas e só pode ter por ela o respeito que se tem por aquilo que conhecemos de gingeira: é gingão com ela, mas tem-lhe amor. Ou não fosse todo o Fado um fingimento da morte e todo o fadista um fingimento da vida
E é um Fado.
E é uma morte
E é uma saudade, e um destino. Ou não fosse a saudade, como memória do bem que jamais regressará, no qual que nunca desaparecerá, uma espécie de morte. O mesmo, em vida que ver morrer. Ou não fosse o destino, como pressentimento sem recuo nem apelo, uma espécie de preparação para a morte. O mesmo, em vida, que ver-mo-nos morrer.
E é um Fado
E é uma morte.
Pela saudade, o fadista pôde saborear a morte que lhe sobe do peito pela garganta, até à boca. É talvez um amargo e doce paladar — terá concretiza algo a ver com amêndoas cruas, caroços de cereja, vinho acre.
Pelo destino, o fadista faz no peito a cama á morte e o aroma desses lençóis  sobe pela garganta até à boca e tem o cheiro de uma mortalha lavada nas lixívias pungentes da vida.
E é só um Fado.
É afinal apenas uma Morte.
Mas que sentido teria celebrá-la e senti-la senão com sua própria língua, a do Fado e da Morte ? A morte de um fadista, a morte de Marceneiro, só pode ser celebrada e sentida na voz de outro fadista. Não pode ser escrita, não consente ser lida.
Porque o Fado precisa dos seus fadistas mortos, das suas lendas e lugares. No Fado, o luto continua. Deste modo sempre. Ou há alguém que disputa a lenda e o lugar da Severa ? Ou há alguém que duvide que, como morto. Marceneiro servirá o Fado como o não pôde servir nos últimos anos da sua vida ?
E é outro Fado.
E é nenhuma Morte.
Ao morrer, Marceneiro inicia uma outra carreira no Fado. Tão bela e importante como aquela que findou. Será furiosamente lembrado, mistificado, transformado em voz. Porque é uma das bonitas qualidades do Fado: o Fado nunca esquece. Agora é que Marceneiro começará a viver, porque já está morto, reconciliado com o seu destino de homem, preparado para a sua missão de reminiscência e saudade.
E é este o verdadeiro Fado.
E é esta a verdadeira Morte.
Porque os fadistas não morrem como os outros homens.
Melhor: nem sequer morrem. Toda a vida anseiam morrer. De amor e paixão, de cio e da saudade. Sem respeitar a vida, que é coisa que vem e que passa, senão daquilo que a vida tem de transportadora. Transportadora da imagem e do desejo das coisas que se amaram, e que nela se guardam, tão brancos como no dia que nasceram,os vícios da alma, os vícios do corpo.
E é assim um bonito Fado.
E não é assim uma feia Morte.
Ou não haja alguém que ponha em causa que um fadista não é um homem que, ora em ora, canta o Fado. Não existe esse bicho: o fadista em tempo parcial. Cantar o Fado é apenas um momento na vida de um fadista, tão natural como abrir as janelas de manhã, tão normal como as tarefas do dia-a-dia. E as tarefas do noite-a-noite, as rondas, as batalhas, os amores, os vinhos, os amigos, os trabalhos, misturam-se com o canto e — nos grandes fadistas, como o Marceneiro — entram pelo canto adentro e tudo encharcam para que a voz depois dê vazâo à paixão, dê cor à dor, dê despejo ao desejo.
È isto o dito Fado.
Bendito Fado, para além da Morte.
Alfredo Marceneiro foi esse fadista em que o Fado, como mero canto, era indissociável do Fado, como mera vida. Mas se dantes não havia realidade que podia com o arroubo de lembrar — o Fado é uma perpétua reconstrução do passado, sabendo sempre que nunca o poderá reconstruir a tempo de evitar o futuro — se dantes não havia Marceneiro—homem que podia com o esplendor de Marceneiro—mito; agora, agora e durante os muitos anos que só o Fado guarda contristadamente faz enternecer, Marceneiro pertence todo ao Fado como nem ele em vida, conseguiu pertencer.
E é Fado
E deixa de ser Morte
Digamos só: Olá Alfredo Marceneiro, é bom tê-lo outra vez entre nós.

Assina: Miguel Esteves Cardoso

 

Imagem do Cortejo que acompanhou a pé, em marcha lenta, ao som das guitarras, Marceneiro até à sua sepultura

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Maio de 2017

A Casa da Mariquinhas e O Leilão

Digite CM 3.jpg

 

 tema " A Casa da Mariquinhas ", teve tal êxito, que levou outros poetas a se basearem nele compondo outras versões igualmente cantadas por Marceneiro.
O poeta João Linhares Barbosa, escreveu:

 

O LEILÃO DA MARIQUINHAS

 

                                  Ninguém sabe dizer nada
                                  Da famosa Mariquinhas
                                  A casa foi leiloada
                                  Venderam-lhe as tabuinhas

 

Ainda fresca e com gagé
Encontrei na Mouraria
A antiga Rosa Maria
E o Chico do Cachené
Fui-lhes falar, já se vê
E perguntei-lhes, de entrada
P´la Mariquinhas coitada?
Respondeu-me o Chico: e vê-la
Tenho querido saber dela
Ninguém sabe dizer nada.

 

                                  E as outras suas amigas?
                                  A Clotilde, a Júlia, a Alda
                                  A Inês, a Berta e a Mafalda?
                                  E as outras mais raparigas?
                                  Aprendiam-lhe as cantigas
                                  As mais ternas, coitadinhas
                                  Formosas como andorinhas
                                  Olhos e peitos em brasa
                                  Que pena tenho da casa
                                  Da formosa Mariquinhas.

 

Então o Chico apertado
Com perguntas, explicou-se
A vizinhança zangou-se
Fez um abaixo assinado,
Diziam que havia fado
Ali até de Madrugada
E a pobre foi intimada,
A sair, foi posta fora
E por more de uma penhora
A casa foi leiloada.

 

                                  O Chico foi ao leilão
                                  E arrematou a guitarra
                                  O espelho a colcha com barra
                                  O cofre forte e o fogão,
                                  Como não houve cambão
                                  Porque eram coisas mesquinhas
                                  Trouxe um par de chinelinhas
                                  O alvará e as bambinelas
                                  E até das próprias janelas
                                  Venderam-lhe as tabuinhas.

 

  

Nesta actuação na TVI - Tardes da Júlia, sou acompanhado na guitarra portuguesa por Luís Ribeiro

 e na viola de acompanhamento por Jaime Martins

 

Foram muitos os temas que Alfredo Marceneiro cantou, mas, de entre todos eles, houve um que teve grande êxito com versos da autoria do grande jornalista e poeta Silva Tavares e que foi, aliás, considerado o "ex-libris" das suas criações,

" A Casa da Mariquinhas".

Todos os que o escutavam, eram unânimes em afirmar que os versos que Silva Tavares escreveu, quando cantados pelo Alfredo, "viam imagens reais". Marceneiro, numa ideia genial, decide demonstrar a todos que, também no seu ofício, é um mestre e na escala de 1/10 constrói em madeira a Casa da Mariquinhas, recriando todos os pormenores que são descritos nos versos do fado.

 

   

 

 

"CASA DA MARIQUINHAS"


                                               É numa rua bizarra 
                                               A casa da Mariquinhas
                                              Tem na sala uma guitarra
                                              Janelas com tabuinhas.


Vive com muitas amigas
Aquela de quem vos falo
E não há maior regalo
De vida de raparigas
É doida pelas cantigas
Como no campo a cigarra
Se canta o fado á guitarra
De comovida até chora
A casa alegre onde mora
É numa rua bizarra

 

              Para se tornar notada
              Usa coisas esquisitas
              Muitas rendas, muitas fitas
              Lenços de cor variada
              Pretendida e desejada
              Altiva como as rainhas
              Ri das muitas, coitadinhas
              Que a censuram rudemente
              Por verem cheia de gente
              A casa da Mariquinhas

 

É de aparência singela
Mas muito mal mobilada
No fundo não vale nada
O tudo da casa dela
No vão de cada janela
Sobre coluna, uma jarra
Colchas de chita com barra
Quadros de gosto magano
Em vez de ter um piano
Tem na sala uma guitarra

 

                                               Para guardar o parco espólio
                                               Um cofre forte comprou
                                               E como o gás acabou
                                               Ilumina-se a petróleo
                                               Limpa as mobílias com óleo
                                               De amêndoa doce e mesquinhas
                                               Passam defronte as vizinhas
                                               Para ver o que lá se passa
                                               Mas ela tem por pirraça
                                              Janelas com Tabuinhas

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: A Casa da Mariquinhas e O Leilão da Mariquinhas
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016

Alfredo Marceneiro - As suas músicas FADOS CLÁSSICOS

Alfredo Marceneiro fala dos seus estilos e dos pregões

 

 

Alfredo Marceneiro, apesar da fama que já ganhara e da aceitação que tinha como fadista, continuou a trabalhar no seu ofício. Os fados cantava-os por amor à arte, embora nessa época já existissem cantadores que ganhavam dinheiro como "negaças" nos Cafés de Camareiras e nos retiros. "Negaças" eram cantadores de menor nomeada, contratados especialmente para atrair, em despique, outros fadistas de maior fama.

E este era um acicate a que Alfredo não renúncia!

Os locais mais frequentados eram o Caliça das Pedralvas, o Bacalhau, ambos eles ali para os lados de Benfica, e ainda o Perna de Pau na Charneca, o Retiro da Severa (Luna Parque), Terraço da Cervejaria Jansen, Ferro de Engomar, Café Luso na Avenida, Castelo dos Mouros no Parque Mayer, Salão Artístico de Fados, Júlio das Farturas, Olímpia Clube, Boémia na Travessa da Palha, Solar da Alegria, José dos Patacos, etc.

Certo dia no "Cachamorra", Alfredo Marceneiro acompanhado pelo poeta Henrique Rego, de quem entretanto se tornara amigo e que tinha passado a ser o seu poeta preferido, foi desafiado por um grande fadista dessa época, Manuel Maria, para cantarem ao desafio ao som do Fado Corrido, tocado em «marcha». Alfredo aceitou e Manuel Maria cantou primeiro dando um estilo que passou a chamar-se de "Marcha do Manuel Maria" (nos fados clássicos o fadista escolhe o tom, para melhor poder improvisar o seu estilo). Enchendo-se de brios, Alfredo pediu que o acompanhassem no mesmo tom e improvisou de tal maneira que criou, também ele, um novo estilo. Nasceu então uma das suas mais lindas músicas: "MARCHA DE ALFREDO MARCENEIRO".

Deste desafio resultou ainda mais fama para Alfredo Marceneiro, que sempre cantou cultivando um estilo próprio, estilo esse que teve sempre reminiscências de «bailarico». Aliás, nas opiniões do guitarrista Casimiro Ramos e do grande fadista Filipe Pinto, todas as obras musicais do Alfredo têm um sotaque de «bailarico».

Foi com Casimiro Ramos, seu acompanhante á guitarra no Clube Olímpia, que Alfredo Marceneiro cantou um fado com versos de Carlos Conde, criando mais um estilo inédito. Nasceu mais uma das suas sensacionais músicas — "Fado Bailarico".

Outros estilos surgiram, o Fado CUF, o Fado Balada, o Fado Louco, o Fado Versículo Pierrot (improviso no fado menor), os Fados Alexandrinos, Lembro-me de Ti, Bêbado Pintor e o Laranjeira, o Fado Mocita dos Caracóis, o Fado Cravo, o Fado Pajem, o Fado Bailado, o Fado Cabaré. Aliás, Alfredo Marceneiro fazia questão de frisar: "— Nunca canto o mesmo fado da mesma maneira pois, em cada interpretação consoante o tom escolhido improviso e crio um estilo novo". Foi esta particularidade que, decerto, lhe granjeou a sua grande fama que ainda hoje perdura de «o maior estilista».

Como se pode verificar quase todas as suas músicas, Alfredo Marceneiro dá-lhes o mesmo título da letra que ele cantou pela primeira vez. Foi o "criador", como se dizia na época, isto porque havia o brio de cada fadista ter o seu repertório privativo.

Alfredo Marceneiro, teve o 1/326 como seu número de inscrição na SOCIEDADE DE ESCRITORES E AUTORES TEATRAIS PORTUGUESES, como sócio administrado. Eis algunspoemas  que cantou e para tal  "criou estilos" ou seja as suas músicas.

ALFREDO MARCENEIRO FOI  O MAIOR ÍCONE DO FADO, FOI O MAIOR ESTILISTA DE TODOS OS TEMPOS, E AINDA É HOJE  SEM MARGEM DE DÚVIDAS, CONSIDERADO  O MAIOR CRIADOR  DE MÚSICAS DOS FADOS CLÁSSICOS EXISTENTES.

 

FADOS REGISTADOS

Fado Aida

Fado Alexandrino Eu lembro-me de ti

Fado Alexandrino Bêbado Pintor

Fado Bailado (conhecido também como Estranha Forma de Vida)

Fado Olhos Fatais

Fado Bailarico

Fado Balada

Fado Cabaré

Fado Cravo (conhecido também como Fado Viela)

Fado Cuf

Fado Laranjeira

Fado Louco

Fado Marcha do Marceneiro

Fado Maria Marques (ou Vestido Azul)

Fado Mocita dos Caracóis

Fado Odéon

Fado Pagem

Fado Versículo Pierrot (conhecido também como Fado Menor em Versículo, ou somente Fado Versículo)

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Criador de "Estilos"
música: Os estilos, Os pregões
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Abril de 2016

Alfredo Marceneiro canta Moinho Desmantelado

Genérico0.jpg

  Moinhos Desmantelados....

               Pelos tempos derroídos....

 

O futuro não pára  e as novas tecnologias avançam. Hoje em dia os moinhos de vento que serviam para o moleiro transformar as semente do trigo ou do centeio, em farinha, para fazer o pão, que era, e ainda é o alimento da grande maioria das populações, apenas há alguns em funcionamento para demonstração turística e/ou didáctica.

Quando na zona Oeste andei a tirar as fotos para este video-clip, verifiquei que alguns ainda se mantém intactos por iniciativa de   cidadãos particulares, há  casos em que  são mesmo habitação permanente, outros como  2ª habitação.  Também algumas entidades públicas, em especial as autarquias fazem o possível para manter um ou outro de pé, mas com o tempo, virá o costumado desabafo " de falta de dinheiro para os manter " e assim irão desaparecendo.

Com o aparecimento das fábricas de moagem, estes lindos monumentos campestres que tanta inspiração deram aos poetas, começaram a deixar de ser usados. Os velhos moleiros foram morrendo e não houve seguidores.

Mas este panorama não é recente, já assim era nos anos trinta do século passado, o que se confirma no poema que Henrique Rego escreveu para meu avô, a seu pedido, pela tristeza que lhe dava quando ía à terra de seus pais , no Cadaval, ao ver os moinhos abandonados e em ruínas.

Hoje vêem-se os montes já com largas dezenas de moinhos  "Eólicos",  que como sabem não moem farinha, geram somente  energia eléctrica. Veremos se serão inspiração no futuro para algum poeta! Quem sabe?

 

 

 

 " MOINHO DESMANTELADO"

 

Letra de: Henrique Rêgo

 

Moinho desmantelado

Pelo tempo derruído

Tu representas a dor

Deste meu peito dorido

 

 Ao dizê-lo sinto pejo

Porque em ti apenas vejo

A miseranda carcaça

Perdeste de todo a graça

Heróica do teu passado

Hoje ao ver-te assim mudado

Minha alma cora e descrê

E quem te viu, e quem te vê

Moinho desmantelado

 

Moinho pombo da serra

Que triste fim tu tiveste

Alvas farinhas moeste

Para o povo da tua terra

Hoje a dor em ti se encerra

Foste votado ao olvido

Foi-se o constante gemido

Dessas mãos trabalhadoras

Doce amante das lavouras

Pelo tempo derruído

 

 Em fundas melancolias

Ás tristes aves sombrias

Hoje serves de dormida

No teu seio dás guarida

Ao horrendo malfeitor

Tudo em ti causa pavor

É bem triste a tua sorte

Sombria estátua da morte

Tu representas a dor

 

 Oh! meu  saudoso moinho

E do meu terno avozinho

Quantas histórias ouvi

Agora tudo perdi

Sou pela dor evadido

Vivo no mundo esquecido

Moinho que crueldade

És o espelho da saudade

Deste meu peito dorido

 

 

Letra de : Henrique Rego

Música de Alfredo Marceneiro

 

 

                                                   " O NATAL DO MOLEIRO "

 

Que noite de Natal, tristonha agreste

De neve amortalhava-se o caminho

E o vento sibilada do nordeste

Por entre as frinchas da porta do moinho

 

Sentado na velha mó, já carcomida

Onde incidia a luz d´uma candeia

O moleiro de barba encanecida

Com a mulher comia a parca ceia

 

Próximo do moinho, ouviu-se em breve

Uma voz e o moleiro abrindo a porta

Viu um velhinho todo envolto em neve

Vergado ao peso d´uma esperança morta

 

Entrai meu peregrino da desgraça

Disse o moleiro ao pálido ancião

Aqui não há dinheiro, existe a graça

De haver carinho, piedade e pão

 

Vinde comer agasalhar-se ao lume

Festejar o nascer do Deus Menino

Porque a vida somente se resume

Na escravidão imposta p´lo destino

 

Então o velhinho com uma voz sonora

Pronunciou levando as mãos ao peito

Abençoado seja a toda a hora

Este moinho que é por Deus eleito

 

 


 Mas também não posso deixar aqui de lembrar mais uma vez o excelente poema "em versos alexandrino" de João Linhares Barbosa,  " Eu Lembro-me de Ti", para o qual Marceneiro fez um estilo/música que é hoje um clássico memorável, que nos fala do moinho o moleiro e a linda moleirinha, que provavelmente acaba por se perder na cidade pois já não era preciso ajuadar os pais no moinho

     

 " LEMBRO-ME DE TI "

Letra de João Linhares Barbosa
Música: Alexandrino “ Lembro-me de Ti” de Alfredo Marceneiro

 

Eu lembro-me de ti,
Chamavas-te Saudade
Vivias num moinho
Ao cimo do outeiro
Tamanquinha no pé,
Lenço posto á vontade
Nesse tempo eras tu,
A filha do Moleiro

 

                      Eu lembro-me de ti, 
                      Passavas para a fonte
                      Pousando no quadril 
                      O cântaro de barro
                      Imitavas em graça
                      A cotovia esonte
                      E mungias o gado 
                      Até encher o tarro

 

Eu lembro-me de ti,
E ás vezes a farinha
Vestia-te de branco,
E parecias-me então
Uma Virgem gentil
Que fosse á capelinha
Num dia de manhã
Fazer a Comunhão

 

                       Eu lembro-me de ti, 
                       E fico-me aturdido 
                       Ao ver-te pela rua 
                       Em gargalhadas francas
                       Pretendo confundir 
                       A pele do teu vestido
                       Com a sedosa lã 
                       Das ovelhinhas brancas

 

Eu lembro-me de ti,
Ao ver-te no casino
Descarada a fumar
Luxuoso cigarro
Fecho os olhos e vejo
O teu busto franzino
Com o avental da cor
Do cântaro de barro

 

                       Eu lembro-me de ti,

                        Quando no torvelinho
                        Da dança sensual
                        Passas louca rolando
                        Eu sonho, eu fantasio 
                        E vejo o teu moinho
                        Que bailava também 
                        Ao vento assobiando

                       

Eu Lembro-me de ti,

E fico-me a cismar
Que o nome de Luci,
Que tens não é verdade
Que saudade que eu tenho,
E leio no teu olhar
A saudade que tens
De quando eras Saudade

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Moinho Desmantelado, Natal do Moleiro e Eu Lembro-me de ti
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 25 de Março de 2016

Alfredo Marceneiro - Fado Larangeira

DEPOIS DE TE BEIJAR, A BOCA PURPURINA

UM NOME ALI GRAVEI, O TEU NOME ... MARIA

Digitalizar0026.jpg

 

Alfredo Marceneiro canta Fado Laranjeira

letra de Júlio César Valente e música  (Fado Laranjeira) de Alfredo Marceneiro

 

 

.

"LARANJEIRA FLORIDA"

 

Letra de: Júlio César Valente

Música: Fado Alexandrino Laranjeira de Alfredo Marceneiro

 

 

Em tenra a laranjeira

Ainda pequenina

Onde poisava o melro

Ao declinar do dia

Depois de te beijar

A boca purpurina

Um nome ali gravei

O teu nome Maria

 

Em volta um coração

também com arte e jeito

Ao circundar teu nome

A minha mão gravou

Esculpi-lhe uma data

E o trabalho feito

Como selo de amor

No tronco lá ficou

 

Mas no rugoso tronco

Eu vejo com saudade

O símbolo do amor

Que em tempos nos uniu

Cadeia de ilusões

Da nossa mocidade

Que o tempo enferrujou

E que depois partiu

 

E à linda laranjeira

Altar pregão d´amor

Que tem a cor da esperança

A cor das esmeraldas

Vão as noivas colher

As simbólicas flores

Para tecer num sonho

As virginais grinaldas     

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 22:28
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Março de 2016

Alfredo Marceneiro - Oh! Águia

Marceneeiro águia..jpg

 

 

Alfredo Marceneiro canta:

OH! ÁGUIA

Poema de Henrique Rego - Musica Armandinho

 

 

" OH ÁGUIA "

 

Letra de Henrique Rego -  Música de Armandinho

Oh águia que vais tão alta

Num voar vertiginoso

Por essas serras d´além

Leva-me ao céu, onde tenho

A estrela da minha vida

A alma da minha mãe

 

Loucos sonhos juvenis

Fervilham na minha mente

Que me fazem ficar chorando

Quando tu águia imponente

Te vejo transpor voando

As serras e os alcantis

 

Quando te vejo voar

Pelo vasto firmamento

Sobre as campinas desertas

Com profundo sentimento

Tu em meu peito despertas

Sonhos que fazem chorar

 

Oh velha águia altaneira

Vem aliviar-me, vem

Do mal que me vem o ferir

Vê se ao céu, me transportas

Para de beijos cobrir

A alma de minha mãe

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Novembro de 2014

ANABELA

ANABELA

Anabela Braz Pires nasceu em 22 de Setembro de 1976 em Almada.

Desde muito pequena que sempre mostrou aptidão para o canto.

Aos 12 anos, venceu na modalidade infantil, a Grande Noite do Fado de 1989.

Ainda em 1989 foi escolhida para a representar Portugal no Festival da UNICEF – Prémio Danny Kaye, que se realizou na Holanda, tendo obtido  2º. lugar,  e ganhou ainda o prémio para a  melhor intérprete.

Gravou vários discos para a OVAÇÃO e DISDOSETE. Venceu o FESTIVAL DA CANÇÃO / RTP em 1993, com a canção "A cidade Até Ser Dia".

Gravou temas de vários compositores, como, Clara Pinto Correia, Rui Veloso, Mafalda Veiga, Fernando Girão, Francisco Nicholson, Carlos Nunez, Florbela Espanca, Fernando Pessoa, Manuel Alegre, Ary dos Santos, para além de temas tradicionais de Fado

Anabela, integrou várias peças musicais dirigidas por Filipe La Féria, o musical infantil "Jasmim ou o Sonho do Cinema", o musical "Amália", "Minha Linda Senhora – My Fair Lady"., "Canção de Lisboa", "Música no Coração" estreado em 2006, em que com Lúcia Moniz interpretam, alternadamente, o papel da personagem principal, Maria.

Em 2006 foi convidada por Carlos Guilherme para lançar o álbum "Encontro" com a recriação de grandes sucessos como “Noites da Madeira”, “Flor Sem Tempo”, “Ser Poeta”, “Eu Sei”, “Nostalgia”, “Estrela da Tarde”, “A Rosa Que Te Dei”, “A Minha 5ª Sinfonia”, “Aquela Janela Virada Para o Mar”, “Vocês Sabem Lá”, “Se Os Meus Olhos Falassem”, e “Canção de Madrugar”.

 

 

 

                                           ANABELA canta

                   Ti Alfredo (Homenagem a Alfredo Marceneiro

                             Letra de Francisco Nicholson

                                   Música de Braga Santos 

 

                         

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: AH! Fadista
música: Ti Alfredo
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Outubro de 2014

VELHICE... dos cartoons da nossa infância. Marceneiro canta Cabelo Branco

O meu filho Alfredo apresentou-me esta  montagem em vídeo,  perguntando-me se eu gostaria de colocar no blogue?... porque não... O Fado e os fadistas têm sentido de humor, os cartoons da nossa infância já velhinhos, lindo.

Alfredo Marceneiro canta, Cabelo Branco é Saudade.

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Cabelo Branco
publicado por Vítor Marceneiro às 18:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Julho de 2014

LEONOR DUARTE

LEONOR DUARTE

Natural de Lisboa, foi esposa do cantador Júlio Duarte e cunhada de Alfredo Duarte “Marceneiro”

Dotada duma excelente voz, dava tal senti­mento nos versos que cantava, aliada a uma excepcional dicção, que em bem pouco tempo impôs o seu nome do can­tadeira de Fado. Estreou-se a cantar o Fado no posto emissor de Abílio Nunes dos Santos, agradou de tal modo, que foi imediatamente contratada para gra­var em disco os seguintes fados: «Os pequeninos., «A Pastora», «Fado Aida», «0 teu olhar», «Desgarrada de Amor» (com o cunhado Alfredo Duarte “Marceneiro” e «A morte da Pastora».

Foi autora da música do Fado Os Pequeninos, que teve um grande sucesso. Cantou várias vezes, por es­pecial deferência no Solar da Alegria com o marido Júlio Duarte, (quando da gerên­cia de Alberto Costa), em festas de beneficência, tendo tomado parte também em diversos espectáculos, quase sempre na companhia do marido ou do cunhado.

Da sua curta mas brilhante carreira como cantadeira de Fados, a noite que mais a emocionou foi a da sua despedida, em 20 de Agosto de 1932, que coincidiu com a na festa artística de seu marido, no Café dos Anjos, em que o pú­blico lhe tributou uma calorosa e prolongada ovação que muito a sensibilizou.

Leonor Duarte abandonou a sua carreira para se dedicar exclusivamente á educação de suas filhas, Júlia e Aida.

 

 

"Os Pequeninos”

Letra de Fernando Teles

Música de Leonor Duarte

 

Descalços, quase nus, por trágicos caminhos,

Soluçantes de dor, ao sol, à chuva, ao vento,

Os pequeninos vão, como as aves sem ninhos,

Seguindo uma odisseia, atroz de sofrimento.

 

                   Em vasos de alabastro, as rosas mais os lírios

                   Trajam de fina gala e pompas bem vistosas,

                   E há criancinhas, céus! Que bárbaros martírios,

                   Na mísera nudez, descalças, andrajosas.

 

Como bênçãos de paz, há músicas de luz,

Noites lindas d'amor, noites calmas e belas,

Caminham tiritando os pobres seminus.

Sob os beijos de luz. das pálidas estrelas

 

 

Disco de Massa 78 rpm

Etiqueta Odeon

refª A 187230 a

Leonor Duarte canta

FADO AIDA

Letra de Carlos Conde

Música de Alfredo Duarte

 

e

 

O TEU OLHAR

Letra de Henrique Rego

Música de António Machado

 

Foi acompanhada por

Guitarra: José Marques

Viola: Georgino

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Raízes do fado
publicado por Vítor Marceneiro às 14:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 27 de Julho de 2013

Alfredo Marceneiro - O Patriarca do Fado



Alfredo Marceneiro
 
— Mais do que um fadista, Alfredo Marceneiro é a carne e o sangue, o coração e a alma do Fado. O próprio Fado. Aquela voz estranha, semi-rouca, cava, — que não é dado a todos, sentir nem compreender... — dá-nos todas as gamas de sensações imagináveis, traduz todos os estados de alma. Acaricia e arranha. Dulcifica e amarga. Fere e cura. Às vezes parece suave como ondas filigranadas aflorando na areia. Outras, áspera com vagalhões insubmissos corroendo graníticos rochedos. Tão depressa parece murmura blandícias como, logo, dolorida e corrosiva, nos aniquila na expressão viva, funda e profunda dos desesperos humanos. É tempestade a rugir e brisa a refrescar. Epopeia de vencido e amargura de triunfador. Por isso, o Alfredo — é grande...
 
Francisco Radamanto
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Marceneiro é só Fado...
publicado por Vítor Marceneiro às 12:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 17 de Maio de 2013

Alfredo Marceneiro - Os primeiros passos no Fado

 

A primeira vez que Alfredo vai ouvir cantar o fado, em recinto adequado, foi na Rua do Poço dos Negros, no Beco dos Carrascos, onde actuavam conhecidos fadistas de então que, por serem gente de trabalho, cantavam por amor à arte. Os acompanhamentos musicais nessa época eram feitos ao piano, com bandolim, ou com guitarras.

Mas foi no «14» do Largo do Rato, antiga casa de jogo e que o dono transformou em «cabaret» quando os jogos de azar foram proibidos, que o jovem Alfredo começou a ser mais conhecido no meio fadista, sendo frequentemente convidado a cantar alguns «fadinhos», cujos versos ele mesmo improvisava. Outros versos que também cantava, letras de qualidade literária e poética muito fracas, eram adquiridos nos quiosques pelo preço de um vintém.

Aqui travou conhecimento com alguns dos poetas populares e grandes fadistas de nomeada daquela época, nomeadamente, o Britinho, estucador, o Soares, do Intendente, o Júlio Proença, estofador, o João Mulato, o Chico Viana, o Jorge, caldeireiro, o Fernando Teles e tantos outros, todos peritos de Fado, que não tardaram em ver no jovem Alfredo um verdadeiro fadista. Como manifestação desse reconhecimento começaram a dar-lhe algumas das suas criações poéticas para que ele as cantasse.

O fado era uma canção de revolta e/ou de amor. Era a história do operário que ficava sem uma perna, sem um braço, ou que era despedido e ficava na miséria, era a história da rapariga que vinha do campo e se perdia nas vielas, era a história do órfão abandonado. Era também a história do amor inflamado pela esperança ou pela desilusão.

É certo que havia letras de fados bastante «lamechas», mas Alfredo tinha a intuição natural de saber escolher de entre os melhores poemas que os poetas da altura escreviam, utilizando sempre o seu dom de bem-dizer e de correctamente dividir as orações gramaticais, o que decerto contribuiu, a par com o seu estilo musical, para a sua enorme popularidade.

As deambulações pelos retiros de Fado continuam e certo dia foi convidado para uma «patuscada» no Carioca da Trindade, mais conhecido por "Coimbra", situado no Largo da Abegoaria, hoje Largo Rafael Bordalo Pinheiro. Alfredo cantou e foi aplaudido com bastante entusiasmo, tendo havido alguém que, quando ele cantou o "Fado Dois Tons", com invulgar sentimento, não resistiu a ir abraçá-lo e, com os olhos rasos de lágrimas, apresentando-se, disse:

— Você não me conhece, mas de hoje em diante faço questão de ser seu amigo, pois comoveu-me profundamente ouvi-lo cantar. Chamo-me Manuel Rêgo, sou poeta, escrevo letras para fado e terei muito gosto em dar-lhe alguns dos meus poemas.

Assim começou uma amizade que durou anos, tendo Manuel Rêgo escrito para Alfredo Duarte alguns poemas para o seu repertório.

Quando Manuel Rêgo adoeceu, logo Alfredo, com outros elementos, lhe organizou uma festa de solidariedade, como homenagem ao poeta e amigo.

E num dia, que nunca mais esqueceu, disseram-lhe que o seu amigo Manuel Rêgo tinha falecido, vítima de uma «galopante». Sucumbido com a notícia, que lhe parecia inacreditável, Alfredo ficou de tal forma sentido que durante dois dias não saiu de casa.

Quando voltou à oficina, decidiu fazer uma cruz em madeira e foi ao cemitério colocá-la na campa onde jazia o amigo. Era uma homenagem singela, mas não a última pois continuou pela vida fora homenageando-o ao cantar os seus versos e, acima de tudo, mantendo-o bem vivo na sua memória, tal como vezes sem conta o referiu.

Eis o exemplo de um de fado, considerado patriótico, mas do género do que se escrevia após a primeira Grande Guerra Mundial.

 

" ASSOMO DA RAÇA "

 

Enquanto o Mundo, cobarde,

Precipita com rancor

Numa trágica odisseia,

Na escola, ao cair da tarde

O velhinho professor

Fala aos rapazes da aldeia!

 

«Sabeis vós o que é a guerra,

«Essa hecatombe terrível

«De que fala todo o Mundo?

«É ver os homens, na terra,

«Em luta medonha, horrível,

«Num ódio torvo e profundo!

 

«Vai-se p´ra a guerra contente,

«Patriotismo exaltado

«Na fé baixa da vingança!

«Mas, regressa-se descrente,

«Cego, doido ou mutilado,

«Velho, até, se foi criança...

«Contra a guerra e contra tudo

«O que no mundo a consente!

 

Brada o professor por fim; 

 

5

 


    Mas o CHICO miúdo,

   Uns quatro palmos de gente

   Levantou-se e disse assim:

 

«Seja a Guerra obra do mal,

«Duro flagelo, não nego,

«Diga-se o que se disser...

«Se alguém quiser Portugal

«Fique mutilado ou cego

«Eu tenho de defender!

 

 

E o gesto desse rapaz,

Que oito séculos de História

Obrigavam a falar,

Mostrou bem do que é capaz

O Povo de maior Glória,

LIVRE NA TERRA E NO MAR

 

© Vítor Duarte Marceneiro in “Recordar Alfredo Marceneiro”

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulho nas origens
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Abril de 2013

Homenagem a Alfredo Marceneiro - Cadaval

O FADO EM DIVULGAÇÂO


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Fado Património
publicado por Vítor Marceneiro às 21:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013

Vítor Marceneiro fala da Homenagem a Marceneiro no Cadaval

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Que Alegria
publicado por Vítor Marceneiro às 18:13
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Fevereiro de 2013

Alfredo Marceneiro - Registado a 25 de Fevereiro de 1891

 

Caricatura de "Campus", publicada pela primeira vez com autorização do autor, que é membro da Associação Cultural de Fado "O Patriarca do Fado" e que será usada nos cartões dos sócios.

É PROIBIDA A SUA REPRODUÇÃO 

Está protegida pelo "copywrite"

 

Após aprofundada investigação, posso afirmar, sem sombra de dúvidas que,  Alfredo Marceneiro na realidade nasceu  a 29 de Fevereiro de 1888, que foi ano  bissexto, mas só foi registado a 25 de Fevereiro de 1891

Com base no registo Alfredo Marceneiro, comemora-se   122 anos  do seu nascimento, mas em termos reais são na relidade 125 anos.

 

 


 

Se os prosélitos do Fado entenderem devotar uma longa noite à sua bandeira,  a de Alfredo Marceneiro, que seja o 25 de Fevereiro pois, sem dúvida, no ano de 1891 nasceu (foi registado) o seu mais louvado príncipe, tão igual ao Povo que com ele se confundiu amavelmente.


Alfredo Marceneiro canta

È TÃO BOM SER PEQUENINO

de Carlos Conde


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: O patriarca do Fado
música: É Tão Bom Ser Pequenino
publicado por Vítor Marceneiro às 22:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Julho de 2012

Alfredo Marceneiro -Homenageado em Tomar

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Origens
publicado por Vítor Marceneiro às 19:16
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Abril de 2012

José Raposo - Actor - Revisita Alfredo Marceneiro na TVI

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Orgulhoso e honrado
publicado por Vítor Marceneiro às 20:27
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012

ALFREDO MARCENEIRO - Nasceu a 29 de Fevereiro de 1888

Comemorou-se no dia 25 de Fevereiro,  121 anos do registo nascimento de Alfredo Marceneiro - 1891 – 1982, mas na realidade ele nasceu a 29 de Fevereiro de 1888, pelo faria hoje dia 29 de Fevereiro 124 anos, factos já devidamente relatados por mim quer em livros, quer neste blogue.

 

 

ALFREDO MARCENEIRO

“PATRIARCA DO FADO”

Raro será o português que se não tenha interrogado acerca do fascínio que o Fado exerce sobre si. Verifica-se que o mesmo acontece com os muitos estrangeiros de diversas partes do mundo, com culturas, etnias e credos diferentes dos nossos, que ao assistirem a essa entrega sublime do cantador que nos transmite para além da sonoridade da voz, da expressão facial, do gesticular do corpo, uma melopeia acompanhada por uma parelha de músicos “guitarras e violas”, que nos provoca nostalgia, amor, ódio, ciúme, alegria, que provoca o ritmo acelerado do coração, enquanto na alma desabrocham sentimentos, que extravasam as barreiras linguísticas, e as almas irmanam-se.

O Fado está cheio de símbolos. Os símbolos são gerados pelo povo, sejam políticos ou militares, sejam sábios ou médicos, sejam músicos ou cantores. É o povo o grande juiz: eleva os ídolos quando lhe agradam, os venera quando tal merecem; Mas também é o mesmo povo que os ignora quando são falsos.

No universo da expressão musical, o Fado é um mundo dentro de outro mundo, é um universo de cantigas onde cabem, a dor, a saudade, o entusiasmo, a fé, a esperança... O Fado é uma “seita” com os seus ritos, os seus segredos…

Será talvez uma afirmação sacrílega esta de vos dar como título a este livro:

Alfredo Marceneiro – Patriarca do Fado.

Na “Catedral do Fado” há um sentir que nos leva muitas vezes à lágrima, tal qual “água benta”, como a que tocamos, na saudação de respeito, que nos motiva ao cruzar os umbrais de uma outra qualquer "Catedral"; também no Fado, há um ritual, um estado de alma... que veneramos e respeitamos.

Se alguém entendeu todo este ritual foi decerto Alfredo Duarte, o Marceneiro, por ofício.

Se os prosélitos do Fado entenderem perpetuar a sua bandeira - O Fado genuíno - , que seja relembrando a sua obra, a sua dádiva ao Fado.  Alfredo Marceneiro nunca se apelidou, nem deixou que o apelidassem, Rei do Fado, mas foi, sem sombra de dúvidas,  o seu mais louvado príncipe, tão igual ao Povo que com ele se confundiu amavelmente.

Alfredo tu foste/és o “ Patriarca do Fado

Vítor Duarte Marceneiro (Direitos reservados)


 Video Clip do tema A Casa da Mariquinhas, com imgens com base

na sua própria inspiração, que num rasgo de génio,   o levou a construir em madeira

o que a letra do fado descrevia, como se de um projecto de construção se tratasse.

Afirmava com certa "ironia" é que há para aí, quem duvide que eu fui Marceneiro!


Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Patriarca do Fado-
publicado por Vítor Marceneiro às 23:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2012

Alfredo Marceneiro no CINE-CLUBE BRAGA

 

 

Hestória(s) do Fado

 

Alguns dizem que o Fado é uma alegria melancólica, enquanto outros dizem que é a dor cantada através de uma linguagem universal que atravessa a barreira da língua transportando a todo o lado a emoção da música. Outros ainda há que, a cantar, dizem que o Fado são almas vencidas, noites perdidas, sombras bizarras, … amor ciúme, cinzas e lume, dor e pecado… e tudo existe e tudo isto é Fado. Para nós, e desde que em criança o ouvíamos fosse numa casa de fados ou numa cozinha portuguesa, o Fado é algo coberto por uma reverência quase sagrada que nos levava a aceitar prontamente e com inabalável respeito a ordem de “silêncio que se vai cantar o Fado!” ditada por um qualquer arauto que em qualquer outra situação não colheria um décimo do respeito.

 

Mas… talvez uma boa aproximação àquilo que parece ser o Fado seja feita contando aquilo que nos parece que o Fado foi. A história do Fado, assim como a própria música, é feita de estórias mais ou menos populares, bucólicas, de um sentimentalismo muito próprio, e com uma propensão para evitar finais felizes em detrimento de um caminho de agruras que, talvez por isso, torna mais belo o belo Fado.

 

Em tempos de “reconhecimento oficial” e internacional, o Cineclube Aurélio da Paz dos Reis associa-se às várias homenagens que 2012 certamente fará ao Fado, dedicando-lhe um ciclo anual, um ciclo que pretende contar o Fado. Ao longo de todo o ano de 2012, fazendo uso da primeira sexta-feira de cada mês e dos olhos privilegiados do cinema português, o Cineclube de Braga tentará desenrolar as estórias de uma música que se confunde com a história de um país. [Carlos Silva, Cineclube Aurélio da Paz dos Reis]

 

Alfredo  Marceneiro – Três  Gerações  de  Fado

 

   

sinopse

 

Alfredo Marceneiro, que sempre foi relutante a dar a cara para a TV, acede em 1979 às solicitações do seu neto Vítor Duarte, à altura profissional de audiovisuais, para produzir este documentário a cores, que foi exibido em 1980, uma única vez. Um documento em que Alfredo Marceneiro com a sua forma única de se expressar, rodeado pelos seus descendentes, nos explica os seus estilos, as suas criações, o seu Fado. As filmagens decorreram em ambiente de tertúlia com Alfredo Marceneiro que lembra que foi "o primeiro a catar à meia-luz".

 

Entre Há festa na Mouraria (António Amargo / A.Marceneiro) e Cabelo Branco (H.Rêgo / A.Marceneiro), Ti’Alfredo, como era tratado carinhosamente pelos fadistas, recorda as suas participações nas cegadas e salienta a importância de bem dizer as palavras e respeitar a pontuação. Quanto à forma de cantar, Marceneiro atesta que "cada qual canta à sua maneira e nisso é que está a evidência do fadista". Alfredo Marceneiro revela-nos as suas raízes musicais, o avô materno fadista e tocador no Cadaval, e o pai, tocador de trombone e contrabaixo.

 

A sessão contará com a presença de um convidado especial. Vítor Duarte Marceneiro, produtor do filme, neto e biógrafo de Alfredo Marceneiro, investigador e divulgador do Fado, ficará connosco à conversa no final da projecção e trará com ele um manancial de objectos e materiais divulgadores do Fado e dos seus intervenientes. Depois de Jorge Moças nos ter acompanhado na conversa em torno da figura da Severa, teremos agora acesso a uma perspectiva muito intíma do neto do aclamado Patriarca do Fado.

 

ficha técnica

 

Realizou e montou: Luis Gaspar

Escreveu os textos: Fernando Peres

Gravou: Vítor Duarte

Filmaram: Carlos Gaspar, Leonel Efe

Produção: Vítor Duarte / RTP

Género: Documentário

Duração: 62’20 / cor / M12

Formato: 4:3

Som: Mono

Idioma original: Português Ano de lançamento: 1980

 

mais  informações

 

Programação do auditório da Casa do Professor: João Catalão

Programação do ciclo: Cineclube Aurélio da Paz dos Reis

Equipa do Cineclube Aurélio da Paz dos Reis:

César Pedro

Programação / Apoio Técnico: Miguel Ramos

Programação: Joana Dias

Programação / Apoio Jurídico: Henrique Cachetas

Produção / Apoio Técnico: Carlos Silva

Produção / Divulgação: Maria João Macedo

Design / Comunicação: João Quintas

Apoio Fiscal Tiago Rito: Sócio Honorário

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grato
publicado por Vítor Marceneiro às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2011

ALFREDO MARCENEIRO - Homenageado numa Grande Noite do Fado

 

Grande Noite do Fado no Coliseu em 1998

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Guitarrada sobre músicas de Marceneiro
publicado por Vítor Marceneiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

O Patriarca do Fado - Alfredo Marceneiro

Alfredo Marceneiro na Fnac

 

 

Comemora-se este ano os 120 anos do nascimento de Alfredo Marceneiro - 1891 - 1982

e 29 anos que faleceu

 

 

ALFREDO MARCENEIRO

“PATRIARCA DO FADO”

 

 

Raro será o português que se não tenha interrogado acerca do fascínio que o Fado exerce sobre si. Verifica-se que o mesmo acontece com os muitos estrangeiros de diversas partes do mundo, com culturas, etnias e credos diferentes dos nossos, que ao assistirem a essa entrega sublime do cantador que nos transmite para além da sonoridade da voz, da expressão facial, do gesticular do corpo, uma melopeia acompanhada por uma parelha de músicos “guitarras e violas”, que nos provoca nostalgia, amor, ódio, ciúme, alegria, que provoca o ritmo acelerado do coração, enquanto na alma desabrocham sentimentos, que extravasam as barreiras linguísticas, e as almas irmanam-se.

O Fado está cheio de símbolos. Os símbolos são gerados pelo povo, sejam políticos ou militares, sejam sábios ou médicos, sejam músicos ou cantores. É o povo o grande juiz: eleva os ídolos quando lhe agradam, os venera quando tal merecem; Mas também é o mesmo povo que os ignora quando são falsos.

No universo da expressão musical, o Fado é um mundo dentro de outro mundo, é um universo de cantigas onde cabem, a dor, a saudade, o entusiasmo, a fé, a esperança... O Fado é uma “seita” com os seus ritos, os seus segredos…

Será talvez uma afirmação sacrílega esta de vos dar como título a este livro:

Alfredo Marceneiro – Patriarca do Fado.

Na “Catedral do Fado” há um sentir que nos leva muitas vezes à lágrima, tal qual “água benta”, como a que tocamos, na saudação de respeito, que nos motiva ao cruzar os umbrais de uma outra qualquer "Catedral"; também no Fado, há um ritual, um estado de alma... que veneramos e respeitamos.

Se alguém entendeu todo este ritual foi decerto Alfredo Duarte, o Marceneiro, por ofício.

Se os prosélitos do Fado entenderem perpetuar a sua bandeira - O Fado genuíno - , que seja relembrando a sua obra, a sua dádiva ao Fado. Alfredo Marceneiro nunca seapelidou, nem deixou que o apelidassem, Rei do Fado, mas foi, sem sombra de dúvidas, o seu mais louvado príncipe, tão igual ao Povo que com ele se confundiu amavelmente.

Alfredo tu foste/és o “ Patriarca do Fado

 

Amália com esta frase lapidar, demonstrou a sua veneração por ele:

Alfredo... tu és o Fado

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 11:01
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags