Sábado, 12 de Março de 2016

O Fado de Cada Um - Cinema Paris e como conheci Amália

 

Cinema-Paris.1_thumb.jpg

 

A primeira vez que entrei numa sala de cinema, foi para ver o filme, História de uma Cantadeira interpretado por Amália Rodrigues, o filme estava em exibição no Cinema Paris, à Estrela ( o edificio ainda lá está, embora em ruinas), quem me levou foi  minha tia Aida, naquele tempo os miúdos desde que acompanhados por um adulto, não pagavam bilhete, mas teriam que ficar sentados ao colo do adulto, se a lotação estivesse esgotada.

 

Vítor Marceneiro aos 6 anos

 


Tinha cerca de 6 anos e recordo que  fartei-me de chorar, é que  minha mãe tinha falecido há relativamente pouco tempo, e aquela "linda senhora do filme", fez-me recordá-la,  vendo a foto de minha mãe, poder-se-à entender como para uma criança haviam tais parecenças, minha mãe tinha falecido há pouco menos de um ano, tinha 25 anos de idade e foi a trazão porque fui viver com os meus avós.

 

 

Mariete Duarte mãe de Vítor Marceneiro

 

Passado que foram alguns meses, venho a conhecer a tal "linda senhora!", e pasme-se,  ela era uma grande amiga do meu avô,  foi numa manhã em que ela após uma das muitas noites  de Fado que estiveram juntos,  Amália deu-lhe uma boleia  para casa,  ía sempre cumprimentar a minha avó  e acabava  também por ficar a comer uma sopa da "Ti Judite, pois é,  a tal senhora era a saudosa Amália Rodrigues. 

 

Apontamento retirado do filme

História de uma Cantadeira

Amália canta "O Fado de Cada Um"

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Março de 2014

JÚLIO DANTAS - Autor de "A SEVERA"

Nasceu a 19 de Maio de 1876 e faleceu em Lisboa, a 25 de Maio de 1962. Foi um escritor, médico, político e diplomata, que se distinguiu como um dos mais conhecidos intelectuais portugueses das primeiras décadas do século XX.

Na sua actividade cultural, cultivou os mais variados géneros literários, da poesia ao romance e ao jornalismo, mas foi como dramaturgo que ficou mais conhecido, em particular pela sua peça A Ceia dos Cardeais (1902), uma das mais populares produções teatrais portuguesas de sempre.

Foi eleito sócio da Academia de Ciências de Lisboa (1908), instituição a que presidiu a partir de 1922.

Na política foi deputado, Ministro da Instrução Pública e Ministro dos Negócios Estrangeiros,  terminando a sua carreira pública como embaixador de Portugal no Brasil em 1949, ali recebeu o título de Doutor "Honoris Causa" pela Universidade do Brasil, título que em 1954 também lhe foi atribuído pela Universidade de Coimbra.

Considerado retrógrado por alguns intelectuais seus contemporâneos, sendo de destacar o caso de Almada Negreiros, que escrever e publicou, o Manifesto Anti-Dantas, para publicamente o desconsiderar.

Júlio Dantas conseguiu granjear em vida grande prestígio social e literário, prestígio que decaiu após a sua morte.

Alcançou grandes êxitos com as suas peças teatrais, com obras como A Severa (*), A Ceia dos Cardeais (obra que foi traduzida para mais de 20 línguas), Rosas de Todo o Ano e O Reposteiro Verde.

Publicou o seu primeiro artigo em 1893 no jornal Novidades, e o seu primeiro livro de versos em 1897. A maior parte das suas obras de teatro e novelas são sobre o passado histórico, mas as suas melhores obras, Paço de Vieiros (1903) ou O Reposteiro Verde (1921 estão escritas num estilo naturalista.

Nas suas obras defende o culto do heroísmo, da elegância e do amor, situando a trama das suas obras quase invariavelmente no século XVIII, época que escolhia quase sempre como cenário das suas produções, salientando a decadência da vida aristocrática da época.

Na sua vasta obra predomina as obras de teatro, as novelas e os temas históricos. Contudo, as melhores obras de Júlio Dantas, nomeadamente Paço de Vieiros (1903) e o O Reposteiro Verde (1921) têm um claro pendor para o naturalismo. Foi durante décadas um dos autores portugueses mais apreciados no estrangeiro.

A primeira produção de uma das suas peças ocorreu em 1899, no Teatro Dona Amélia (actual Teatro São Luiz) de Lisboa, com a apresentação da peça em quatro actos, O que morreu de amor, pela Companhia Rosas & Brasão. 

A Ceia dos Cardeais (1902) foi enormemente popular no seu tempo. Com base na sua obra teatral A Severa, José Leitão de Barros realizou o primeiro filme sonoro português em 1931. A sua peça Os Crucificados aborda, pela primeira vez no teatro português, a temática da homossexualidade.

Foi um dos fundadores da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses, a SECTP, de que foi o primeiro presidente. Aquela sociedade deu origem à Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

Foi director do Conservatório Nacional de Lisboa, sendo ali professor de História da Literatura e director da Secção de Arte Dramática.

Em 1938-1940 presidiu à Comissão Executiva dos Centenários, dirigindo a Exposição do Mundo Português que teve lugar em Lisboa.

Em 1941 foi um dos Embaixadores Especiais enviados ao Brasil para dignificar a cultura de Portugal e em 1949 foi nomeado embaixador de Portugal no Rio de Janeiro. Nessas funções teve papel destacada na elaboração de um acordo ortográfico com o Brasil.

Politicamente foi considerado um oportunista, que é com quem diz, esteve sempre ao lado de quem detinha o poder. (vale a pena ler ou ouvir o Manifesto anti-Dantas de Almada Negreiros)

Quando foi proclamada a República, Júlio Dantas aderiu ao regime e publicou, no diário A Capital, o folhetim "Cruz de Sangue", depois em livro com o título Pátria Portuguesa (1914), fazendo a exaltação do povo e a condenação da nobreza.

Em 1911, desencadeado o conflito entre a Igreja Católica e o Estado Português por causa da Lei da Separação de Afonso Costa, publica a peça A Santa Inquisição (1910), um libelo contra a Inquisição. Com o advento do salazarismo, publicou Frei António das Chagas, um "elogio de quem se sacrifica, se imola pela Pátria".

Terminada a Segunda Guerra Mundial, prevendo a queda do Estado Novo, reformulou introduziu, em 1946, na Antígona, peça de estreia de Mariana Rey Monteiro, uma crítica velada ao velho ditador por meio da personagem de Creonte

Foi um dos fundadores da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses, a SECTP, de que foi o primeiro presidente. Aquela sociedade deu origem à Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

Júlio Dantas é lembrado na sua cidade natal, Lagos, por um busto, localizado em Santo Amaro, na área envolvente ao Mercado Novo, dando também o nome à biblioteca pública da cidade. É também patrono da Escola Secundária Júlio Dantas, a principal escola pública de ensino secundário daquela cidade.

 

 

Peças de Teatro de que foi autor:

 

O Que Morreu de Amor (1899)

Viriato Trágico (1900)

A Severa (1901)

Crucificados (1902)

A Ceia dos Cardeais (1902)

Paço de Vieiros (1903),

Um Serão nas Laranjeiras (1904)

Rosas de Todo o Ano (1907)

Auto de El-Rei Seleuco de Camões (1908)

Soror Mariana (1915)

O Reposteiro Verde (1921)

Frei António das Chagas (1947)

 

Teatro do Príncipe Real onde se estreou a peça "A Severa " em 1901
Posteriormente passou a ter a designação de  Teatro Apolo

 

(*)A actriz Palmira Torres primeira interprete de " A Severa"

 

A peça de teatro, A Severa data de 1901, o que explica o entusiasmo do público, nessa época cativo do pitoresco trágico, uma das garras do romantismo. A artista principal foi a actriz Palmira Torres. Palmira Torres

«Como se sabe, Dantas não fugia ao ardor sentimental de uma estória com sabor e cheiro a pecado e a drama, como a de Maria Severa Onofriana (Lisboa, 1820-1846), a que morreu na rua do Capelão à Mouraria, a rua do fado que Dina Teresa consagrou em A Severa, o nosso primeiro filme sonoro (1931), realizado por Leitão de Barros.

 Cartaz do Filme de Leitão de Barros e a Actriz Dina Teresa

a primeira interprete do célebre tema de Frederico de Brito "Severa"

 

A peça A Severa (mais tarde adaptada a romance, à opereta e depois ao cinema, sendo nestes dois casos, ainda mais popularizada pela música de Frederico de Freitas, com uma melodia afadistada que granjeou  grande aplauso  e que  teve um êxito duradouro.

A peça converteu-se em novela, com o andar do tempo, veio a converter-se em opereta, em filme, em zarzuela, em ópera, em bailado, em pintura, em escultura de arte, e até  em quadro de revista.

 

 

Amália com Assis Pacheco no Monumental em "A Severa"

ver detalhes neste blogue em 

 http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/190948.html

 

 Para finalizar o tema "A Severa" brilhantemente cantado pela grande fadista Fernanda Maria

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Estórias e Lendas
música: Maria Severa
publicado por Vítor Marceneiro às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011

AMÁLIA é S. Bento - Noites de Fado em São Bento

 

CAROS AMIGOS.
PARECE QUE HÁ DÚVIDAS  NO QUE RESPEITA AO CUSTO DE INGRESSO, PARA ASSISTIR AOS ESPECTÁCULOS.
PASSO A ESCLARECER...

 

NÃO HÁ QUALQUER CUSTO, É UM ESPECTÁCULO DE RUA, OS FADISTAS CANTAM DAS JANELAS DA CASA DA AMÁLIA, PARA O PÚBLICO QUE ESTARÁ NA RUA LIVREMENTE E COM  A DEVIDA SEGURANÇA.

 

VAMOS LEMBRAR AMÁLIA, LISBOA O FADO E ACIMA DE TUDO MOSTRAR A FRATERNIDADE QUE NOS UNE... SOMOS UM GRANDE  POVO... SOMOS PORTUGA

 

Nos próximos dias 22, 23 e 24 deste mês de Setembro de 2011, numa iniciativa da Associação dos Comerciantes da Rua de São Bento,  com o apoio da Fundação Amália Rodrigues, para além de as  lojas  estarem nestes dias  abertas ao público até às 24 horas, haverá várias actividades e supresas para os visitantes,  destacamos 3 grandes noites de Fado, em que os fadistas actuam das janelas  da Casa da Amália (hoje Museu Amália Rodrigues e sede da Fundação Amália Rodrigues), na Rua de S. Bento,  o público que queira assistir,  pode ocupar o espaço na via pública, devidamente demarcado e com toda  a segurança,  controlada pelas autoridades competentes.

 

 

 

Dia 22 Quinta-Feira

a partir das 21,30 horas

A apresentação e coordenação dos espectáculos estará a cargo

Vítor Duarte Marceneiro

 

Cantará  a jovem promissora Ana Filipa César

e o Violista e cantor de Fados , Miguel Ramos, que em breve

nos apresentará  o seu primeiro trabalho em CD.

Os fadista serão acompanhados pelos músicos,

Guitarra Portuguesa: Paulo Silva

Viola de Acompanhamento: André Ramos

Que executarão variações sobre o "Fado Clássico"

 

 

Dia 23 Sexta-Feira

a partir das 21,30 horas

 

Cantará  Helena Sarmento, jovem fadista do Porto, que recentemente

lançou o seu primeiro trabalho em CD - FadoAzul, que tem tido uma grande aceitação do público

e o Fadista vencedor de uma Grande Noite de Fado da Casa da Imprensa

João Paulo

Os fadistas serão acompanhados pelos músicos,

Guitarra Portuguesa: Luís Ribeiro

Viola de Acompanhamento: Jaime Martins

Estes músicos que também acompanharam Amália

executam uma "guitarrada inédita" em homenagem a Amália

 

Dia 24 Sábado

 partir das 21,30 horas

 

Cantará  Carolina Tavares, grande interprete fadista,  e distinta seguidora

do brilhantismo da sua saudosa mãe, a grande Helena Tavares

Eu próprio Vítor Marceneiro,  nesse dia cantarei Fados em tributo a meu avô e à  noss queriada Amália

seremos acompanhados pelos músicos,

Guitarra Portuguesa: Luís Ribeiro

Viola de Acompanhamento: Jaime Martins

Estes músicos voltarão a executar uma "guitarrada inédita" em homenagem a Amália

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 18:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

AMÁLIA - Bendita seja a tua voz

Amália com o guitarrista José Nunes

A Tua Voz Amália           
 
A tua voz, Amália, é quente como um raio de sol em dia de inverno e fresca como talhada de melancia em tarde de canícula... É doce como um beijo de amor antes da posse e amarga como travo de ciúme após o amor... É macia como pétalas de rosa-chá ao bater Trindades e áspera como espinhos a fazer sangrar...
Nos teus olhos, Amália, negros e profundos como poços sem fundo, brilhantes e deslumbrantes como gemas preciosas, retracta-se a tua alma onde cabe a vida com todos os seus desesperos e crenças, com todas as suas revoltas e amores. Tudo quanto a vida tem de mau e de bom, as teus olhas o exprimem como nenhuns outros... Eles são a fonte onde vais beber a tua voz impar — essa voz que nos prende e nos domina, essa voz bruxa que nas encanta e faz sonhar...
Amália — encarnação da Severa e da Maria Vitória numa alma só — Amália sonhadora e boémia, Amália fadista e perdulária. Amália Mulher, pela magia da lua voz, para tudo quanto ela nos dá de vida palpitante e viva, — bendita sejas tu, Amália ! Bendita seja a tua voz !
 
Francisco Radamanto
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 21:36
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Setembro de 2009

AMÁLIA, REFLEXÃO ESCRITA

 

       D'Amália sinto as metamorfoses do seu andamento no Poema/Fado que talhou sob O FLUIR-de-SI-PRÓPRIA ! 
     Não sou conhecedora da terminologia adequada nem da Ciência que a experimentação d'O CRIADO-FADO elaborou ! -( CIÊNCIA EMPÍRICA ,O FADO ?) -
  Falo,simplesmente, escrevendo o peito e ,as minhas "sensações /sentimentos" valerão para se pesar a necessidade de  ABRIR CAMINHO PAUTADO E DELINEADO PARA O ENSINO-da-HISTÓRIA EXPLICADA-do FADO  a nós,PORTUGUESES QUE O OUVIMOS,CANTAMOS E SENTIMOS... - 
    Uma Pátria é o Sangue dos seus Feitos, cronológicamente situados... As Causas produzem Consequências e a vida, sem esse conhecimento, dispersa a Alma e as Marcas...
       AMÁLIA !!!
  ...  Sobre a sua morte, ...DEZ ANOS !    Sobre a sua Voz,... ATÉ HOJE , desde o primeiro grito-nascimento-dor de enfrentar o mundo a solo.
     Lembro-me de em Milão andar à solta,a calcorrear caminhos... (Gosto de beber as pedras na minha descodificação própria...) Teria vinte e poucos anos...A neve enfeitava o chão e o frio gelava mesmo!
    Depois da Catedral, as Galerias (só para ver ! ) - Entrei "de olhar posto",devagarinho, continuando...
    Como se esperassem por mim, ouviram-se GUITARRAS e AMÁLIA SOOU EM ASAS, no meu Peito (ali). - As lágrimas tombaram-me e senti-me ,agradecidamente, embalada...
     Em "procissão "pelas memórias de miúda ( nasci em 1950), lembro OS LIMÕES d'A ROSINHA, O SÃO JOSÉ d'AZULEJOS, ESTA LISBOA d'OUTRAS ERAS,  AS PEDRINHAS DA CALÇADA LÁ DA RUA e por aí fora, andando... 
      AMÁLIA,pregão de Lisboa!
      AMÁLIA , marcha de Sto,António,com manjericos e cravos!
      AMÁLIA, menina rasada em voo pelos cantos do mundo, traçando a saudade e o mito da  nossa portugalidade!
       AMÁLIA,palco ela própria de luas cheias de fado!
       AMÁLIA, Capas Negras, Negra Mãe!
       AMÁLIA,Canção do Mar rebentado!
       AMÁLIA, Barco Negro,tão de negro!
       AMÁLIA, Asas Fechadas,voadas!
       AMÁLIA, Povo que Lavas no Rio,
       Correndo em leitos de mágoas... maria josé praça ( Setembro-2009)
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 09:28
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

AMÁLIA 10 ANOS DE SAUDADE

Amália com o guitarrista José Nunes

 

A Tua Voz Amália           
 
A tua voz, Amália, é quente como um raio de sol em dia de inverno e fresca como talhada de melancia em tarde de canícula... É doce como um beijo de amor antes da posse e amarga como travo de ciúme após o amor... É macia como pétalas de rosa-chá ao bater Trindades e áspera como espinhos a fazer sangrar...
Nos teus olhos, Amália, negros e profundos como poços sem fundo, brilhantes e deslumbrantes como gemas preciosas, retracta-se a tua alma onde cabe a vida com todos os seus desesperos e crenças, com todas as suas revoltas e amores. Tudo quanto a vida tem de mau e de bom, as teus olhas o exprimem como nenhuns outros... Eles são a fonte onde vais beber a tua voz impar — essa voz que nos prende e nos domina, essa voz bruxa que nas encanta e faz sonhar...
Amália — encarnação da Severa e da Maria Vitória numa alma só — Amália sonhadora e boémia, Amália fadista e perdulária. Amália Mulher, pela magia da lua voz, para tudo quanto ela nos dá de vida palpitante e viva, — bendita sejas tu, Amália ! Bendita seja a tua voz !
 
Francisco Radamanto

 

Amália canta o Fado "AMÁLIA"

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Foste a Maior
música: Amália
publicado por Vítor Marceneiro às 17:28
link do post | comentar | favorito
Sábado, 1 de Novembro de 2008

MERCADO DA RIBEIRA

Lisboa foi desde sempre uma cidade de mercadores.
Pelas ruas vendia-se um pouco de tudo. Com os cestos às costas ou a mercadoria no chão o mais pequeno espaço servia para o negócio. Com os descobrimentos este pendor mercantilista acentuou-se.
As naus traziam para o porto de Lisboa todo o tipo de produtos provenientes dos mais exóticos e longínquos recantos, assim no séc. XVI começou a haver a preocupação de arrumar a cidade e colocar os mercadores em locais específicos.
Foi então que surgiu o Mercado da Ribeira Velha. Ficava situado na zona do actual Campo das Cebolas, vendiam-se principalmente bens de primeira necessidade como hortaliças, peixe e fruta.
Em 1766, passados onze anos depois do terramoto que martirizou a cidade de Lisboa, o mercado foi transferido para ocidente do Terreiro do Paço (o local onde se encontra actualmente). Uma transferência inserida no plano de expansão da cidade traçado pelo Marquês de Pombal.
Começou a funcionar em 1771 e foi chamado de Mercado da Ribeira Nova, não era um mercado como hoje os concebemos,  era composto por 132 telheiros e cabanas com 256 bancas de venda, passava de um aglomerado minimamente organizado de comerciantes onde se continuava a vender de tudo.
Foi só no séc. XIX, mais concretamente em 1882 que abriram as portas do refeito Mercado da Ribeira Nova. O nome manteve-se mas desapareceram os telheiros e as cabanas. No mesmo espaço nasceu um edifício com uma estrutura em ferro que albergava no interior todas as bancas. A grande novidade era a existência de um corredor central onde o vendedores dispunham de água em abundância, o que permitia expor e conservar as mercadorias com cuidados de higiene inexistentes até então, sendo o projecto da autoria do engenheiro Ressano Garcia e foi aprovado em sessão camarária em 17 de Junho de 1876.
Passado onze anos da inauguração um gigantesco incêndio destruiu quase por completo o já por duas vezes inaugurado Mercado da Ribeira Nova. A  nova reconstrução demorou quase 30 anos, de 1902 a 1930, ano em que aparece então a cúpula que (ainda hoje existe). Uma cúpula que suscitou a curiosidade dos Lisboetas, pouco habituados a um mercado a funcionar num edifício deste género. O espanto foi tal que passaram a chamar-lhe a "Mesquita do nabo".
Foi então em 1930 e desta vez definitivamente que o Mercado da Ribeira ganhou a configuração preservada até hoje. A ele ficará para sempre ligado o nome de Frederico Ressano Garcia, com 27 anos o jovem engenheiro venceu um concurso para entrar nos quadros da Câmara Municipal de Lisboa, Dos quatro concorrentes para as duas vagas abertas, Ressano Garcia conseguiu o primeiro lugar e assume o cargo de engenheiro do Município  no ano de 1874.
O novo edifício já era muito mais que quatro paredes e oito portões para albergar vendedores. Os cuidados estéticos estiveram presentes no projecto, como é bem visível nos painéis de azulejos que ornamentam o átrio da entrada principal e o primeiro piso. No segundo andar começa a área restrita do mercado, é através de uma escada de pedra em caracol, que se chega á sala redonda com o piso em madeira e decorada com riquíssimos frescos assinados por Gabriel Constanti e datados de 1930.
O segundo andar serve como espécie de convite para se subir mais uns lances de escada, desta vez em ferro, que dão acesso ao local onde está religiosamente guardada uma das mais emblemáticas peças do edifício, o relógio da torre.
Fabricado em França na empresa "Horloges Bodet" era considerado um relógio revolucionário para a época. Mas a importância do relógio não impediu que a máquina estivesse parada quase 20 anos. Só em 1998 a Câmara Municipal de  Lisboa decidiu contratar um dos mais prestigiados relojoeiros portugueses,  António Franco para inspeccionar o relógio da torre. Em menos de um ano o sistema mecânico foi totalmente restaurado e o mostrador teve de ser feito de novo.

Um mostrador que guarda a assinatura do homem que permitiu que os cacilheiros voltassem a guiar-se pelo relógio da Torre do Mercado "FRANCO-LISBOA".
Outra escada em caracol conduz ao ponto mais alto do mercado. O piso onde está instalado o sino que dá as badaladas às horas e meias horas. Daqui pode observar-se toda a imponência do Tejo e ver atracar os cacilheiros que os ponteiros do relógio voltaram a guiar.
Mais tarde falarei do célebre “cacau da ribeira” onde ao raiar do dia começava a azáfama dos vendedores, e o inicio dos “moinantes” irem para casa.
Que saudades.

Amália Rodrigues

canta Namorico da Rita

de Artur Ribeiro e António Mestre

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Namorico da Rita
publicado por Vítor Marceneiro às 22:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags