Domingo, 26 de Abril de 2015

MARIA DA FÉ

 
Maria da Conceição Costa Marques Gordo (Maria da Fé), nasceu no Porto a 25 de maio de 1945 e sonhou de ser fadista desde os nove anos de idade. Apresentou-se e venceu um concurso de cantadeiras amadoras quando tinha 14 anos, o que venceu, e atingiu a sua estreia em palco no Teatro Vale Formoso do Porto. Quando tinha dezoito anos mudou-se para Lisboa e começou a cantar em casas de fados principalmente na Adega Machado e no Casino de Estoril. Em 1967 lançou o seu primeiro disco dedicado somente ao Fado que obteve bastante sucesso, com os temas, Valeu a Pena e O Primeiro Amor. Durante os anos 70´s o seu nome é reconhecido a nível nacional e internacional.
Maria da Fé alcançou o seu maior sucesso discográfico com “Cantarei Até Que A Voz Me Doa” nos anos dos 80´s e também com outros êxitos como: Pode Ser Mentira, Divino Fado, Obrigado, Vento do Norte e Fado Errado, Senhora Dona Cidade, etc.
Hoje em dia o seu repertório é constituído por imensos poemas da autoria de seu marido José Luís Gordo.
Fez parte do elenco inicial de “Entre Vozes” com Alice Pires, Alexandra e Lenita Gentil.
Recebeu o Prémio Carreira da Fundação Amália em 2006.
Nn dia 10 de Dezembro de 2009, foi apresentado o DVD dos 50 anos de carreira de Maria da Fé, no Museu do Fado.
As edições derivaram de uma parceria celebrada entre a OVAÇÃO, RTP e a própria artista.
No espectáculo do Coliseu, que foi coberto pela RTP 1 e que deu origem ao dvd, participaram os artistas Aldina Duarte, Antonio Zambujo, Duarte e Camané que, de viva voz, quiseram homenagear Maria da Fé.
As presenças de Helena Sacadura Cabral, José Fonseca e Costa, Mário Moniz Pereira, Rui Vieira Nery e João Braga enalteceram e prestigiaram a cantora que recebeu das mãos do Exmo. Sr. Presidente da Câmara Lisboa a Medalha de Mérito grau Ouro da cidade de Lisboa entre outros galardões.
  
Maria da Fé canta o poema de seu marido " Cantarei até que a voz me doa"
 

Contacto com o autor: clicando aqui
música: Cantarei até que a Voz me Doa
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Setembro de 2013

JOSÉ LUIS GORDO - Poeta

 

 

JOSÉ LUÍS GORDO Nasceu em Vila de Frades, Vidigueira, a 13 de Abril de 1947, embora tivesse sido registado a 26 de Julho seguinte. Nasceu na sua casa de família, tendo sido sua avó materna quem deu assistência ao parto. Aos 13 anos veio para Lisboa a fim de trabalhar na antiga Casa Quintão, entretanto desaparecida e que era famosa pelos tapetes de Arraiolos que comercializava. Estudou na Escola Veiga Beirão à noite, onde frequentou o Curso Comercial. Devido ao contraste entre o Alentejo e Lisboa, criou primeiramente um sentimento de rejeição em relação à capital. Mais tarde diria que Lisboa é o seu coração. Começou a escrever poesia muito jovem e aos 17/18 anos encarou essa tendência mais a sério. O seu primeiro poema para Fado intitula-se Há Tanta Amargura, Tanta, que foi escrito inicialmente para Beatriz Ferreira, mas o destino trocou-lhe as voltas e seria Maria da Fé, na altura Maria da Conceição, a cantá-lo quando actuava na Taverna do Embuçado. Mais tarde casaria com ela. Os primeiros contactos de José Luís com o Fado sucederam na Viela, que já não existe. Durante alguns anos usou o pseudónimo de Luís Alçaria, em virtude de junto da sua aldeia natal existir a Serra de Alçaria. Como bom alentejano que se preza, mais tarde desistiu daquele nome e assumiu Refachinho e Gordo. Ao longo da sua vida de poeta do Fado escreveu cerca de trezentos poemas, sendo uma grande parte cantados e gravados em discos, sobretudo por Maria da Fé. António Mello Corrêa e Ada de Castro. Profundo admirador e amigo dejosé Carlos Ary dos Santos, dele sofreu grande influência literária, tal como de Gabriel de Oliveira, João Linhares Barbosa, Carlos Conde, Vasco de Lima Couto ou Joaquim Frederico de Brito Britinho ou Poeta Chofer. É um admirador de Mário Raínho. Sempre preferiu escrever primeiro os poemas e depois serem musicados, a fim de não se cair na facilidade de se adaptarem constantemente os fados tradicionais. Muitos têm sido os fadistas que têm cantado poemas seus, entre os quais destaca Maria Armanda, Fernando Maurício, Carlos Zel, Camané, Filipe Duarte, Carlos Macedo, Ada de Castro, Maria da Nazaré, Argentina Santos, Lina Maria Alves, Mariajôjô, Celeste Rodrigues, José Manuel Osório, Marina Mota, Nuno de Aguiar, Vasco Rafael, Lenita Gentil, Alexandra, Jorge Fernando, Machado Soares, Paulo Saraiva, Maria Dilar, Manuel Azevedo Coutinho, Odete Santos, Tina Santos, João Chora, António Mello Corrêa, Marisa, Cristina Branco, TóZé Zambujo e sobretudo Maria da Fé. Em 1975 inaugurou o primeiro Sr. Vinho, na Rua das Trinas. Porque o espaço era exíguo, em 1981 a casa passou para a Rua do Meio à Lapa, igualmente no Bairro da Madragoa, sendo considerada uma das três melhores Casas de Fado de Lisboa. Em 1980 adquiriu o Solar da Hermínia, casa de grande tradição e que pertenceu a Hermínia Silva. Na década de 90 tornou-se sócio do Restaurante Típico O Faia que deixaria alguns anos depois. Da sua imensa produção poética destaca-se o fado Até Que A Voz Me Doa, que imortalizou Maria da Fé. José Luís Gordo escreveu um dia uma quadra que dedicou a sua mãe, onde revela sem dúvida grande sensibilidade poética nas metáforas utilizadas. É autor do livro de poemas Recados ao Fado, editado pela Miosótis em Novembro de 2004, com prefácio de José Manuel Osório. Em 2005 a Fundação Amália Rodrigues atribuiu-lhe o prémio Poeta do Fado. 

Em 2008 é o vencedor no concurso para a melhor letra para a Grande Marcha de Lisboa de 2008, que poderá ouvir num Video-Clip de Lisbao no Guiness em 

http://www.youtube.com/watch?v=lwm5sU9Vo8w

 

 

 

José Luis Gordo

Delama o inicio do poema

Maria da Fé canta

O Teu Nome Meu Amor


 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Poeta
música: O Teu Nome Meu Amor
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

JOSÉ LUÍS GORDO - Edita o seu 2º Livro de poemas

José Luís Gordo e a FesTEJO levaram a efeito o lançamento do livro "Poemas do Meu Fado " que teve lugar no passado dia 28 de Outubro, no Páteo Alfacinha em Lisboa.
O livro vem acompanhado por um CD onde, para além de poemas declamados por José Luís Gordo, Maria da Fé, António Zambujo, Filipa Cardoso, Hélder Moutinho, Vanessa Alves, José Manuel Osório, Liliana Silva e Rita Gordo interpretam fados escritos pelo autor, acompanhados pelos músicos Paulo Parreira e Rogério Ferreira.
A apresentação foi feita pelo jornalista Nuno Lopes


 

José Luís Refachinho Gordo nasceu no Alentejo, na Vidigueira, mais concretamente em Vila de Frades, em 13 de Abril de 1947. Aos 14 anos vai para Lisboa. Tem o primeiro emprego na Casa Quintão e a noite estuda na Escola Veiga Beirão onde completa o Curso Comercial. 0 gosto pela poesia começou bem cedo e o seu contacto com o fado levou-o a escrever poemas para a canção portuguesa. Com mais de seis centenas de poemas escritos, muitos já cantados e gravados, é Maria da Fé, com quem casou há mais de 40 anos, a sua grande intérprete. É longa a lista dos melhores fadistas que cantam poemas seus. "Até Que a Voz Me Doa", "Divino Fado", "Senhora do Livramento", "António Baptista", "Eu Não Me Entendo" ou "Fado da Meia Laranja" são alguns exemplos de popularidade.

Para além da escrita, José Luís Gordo é um grande divulgador do Fado através do restaurante típico "Senhor Vinho", que detém com a sua mulher Maria da Fé, onde há mais de 35 anos os melhores fadistas e músicos têm divulgado o Fado aos portugueses e a muitos milhares de turistas que nos visitam.

Em 2004 edita o primeiro livro "Recados ao Fado", que no ano seguinte lhe vale o Prémio Amália Rodrigues na categoria de Melhor Poeta do Fado.

Contacto com o autor: clicando aqui
música: O Teu Nome Meu Amor
publicado por Vítor Marceneiro às 21:35
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Abril de 2007

MARIA DA FÉ

Maria da Fé canta "Valeu a Pena"

Letra e Musica de Moniz Pereira  

 

Maria da Conceição Costa Marques Gordo (Maria da Fé),  nasceu no Porto em 1945 e sonhou de ser fadista desde os nove anos de idade. Apresentou-se e venceu um concurso de cantadeiras amadoras quando tinha 14 anos, o que venceu, e atingiu a sua estreia em palco no Teatro Vale Formoso do Porto. Quando tinha dezoito anos mudou-se para Lisboa e começou a cantar em casas de fados principalmente na Adega Machado e no Casino de Estoril. Em 1967 lançou o seu primeiro disco dedicado somente a fado em que realizou bastante sucesso com os temas Valeu a Pena e O Primeiro Amor. Durante os anos 70´s o seu nome é reconhecido a nível nacional e nos continentes da Ásia, América do Sul e em toda a Europa. Maria da Fé alcançou o seu maior sucesso discográfico com “Cantarei Até Que A Voz Me Doa” nos anos dos 80´s e também com outros êxitos como: Pode Ser Mentira, Divino Fado, Obrigado, Vento do Norte e Fado Errado, Senhora Dona Cidade.

Hoje em dia o seu repertório é constituído  por imensos  poemas da autoria de seu marido José Luís Gordo.

Fez parte do elenco inicial de “Entre Vozes” com Alice Pires, Alexandra e

Lenita Gentil.

Foi e é uma fadista muito apreciada .

Recebeu o Prémio Carreira da Fundação Amália em 2006.

 

Maria da Fé

 

Tem uma voz de conforto

P'ra quem sofreu ou chorou,

A cantadeira do Porto

Que Lisboa consagrou !

 

E assim Maria da Fé

Que pretende ir mais além,

Mostra o valor de quem é

Pelo nome que já tem !

 

O Galarim " p'ra saudar

Esta popular artista,

Confere-lhe aqui lugar

Por direito de conquista !

poema de: Carlos Conde

 

 

Senhora Dona Lisboa

 Repertório de Maria da Fé

Letra de: Ary dos Santos

Música: Martinho da Assunção

 

Senhora Dona Lisboa

Burguesa de meia-raça

Vais do Terreiro do Paço

Ao miradouro da Graça

 

Levas saia pombalina

Blusa bordada ao redor

Sorriso de ceda fina

Cinta d´Eça de Queiroz

 

Com vestido de azulejos

E peito alto entalado

Num decote sobre o Tejo

Tens corpo de rio e Fado

 

Senhora Dona Lisboa

Cada praça mais formosa

E nas ruas da idade

Com paredes cor de rosa

 


 

Casamento de Maria da Fé (Os noivos com Alfredo Marceneiro e mulher)

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 20:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags