Terça-feira, 14 de Junho de 2016

ALCÂNTARA - BAIRRO DE TADIÇÕES

O MEU BAIRRO... ALCÂNTARA

Alcântara é uma freguesia portuguesa do concelho de Lisboa, o seu nome deriva do árabe al-qantara, que significa "ponte", assim se chamava a ponte que atravessava a ribeira nessa área, que acabou por se chamar ribeira de Alcântara.

Alcântara era, no início do séc. XX, um dos principais bairros republicanos que conspirava contra a monarquia e onde se planeavam formas de instaurar uma república. Após a Proclamação da República Portuguesa, em 1910, as greves sucederam-se umas às outras devido a grandes conflitos sociais. Alcântara, já durante a ditadura salazarista, continuava a albergar grupos revolucionários, reprimidos pelo Regime.

Durante o séc. XX muita coisa mudou em Alcântara, que muito influenciou o futuro da freguesia, destacam-se a arborização do Parque Florestal de Monsanto (1937); a construção do Bairro do Alvito (1936 - 1937), da Estação Marítima de Alcântara (1943), da Avenida de Ceuta (1944 - 1951) e do Pavilhão da FIL (1957); a inauguração do Estádio da Tapadinha (1945), entre outros.

 

Fados do meu Fado

 

Meu avô conheceu a minha avó no Bairro de Alcântara

Meu pai conheceu a minha mãe no Bairro de Alcântara, pois minha mãe era natural de Alcântara

Meus pais casaram no Bairro de Alcântara na Igreja de S. Pedro de Alcântara

Eu nasci no Bairro de Alcântara, fui baptizado na Igreja de S. Pedro de Alcântara.

Fiz o Curso Industrial na Escola Marquês de Pombal em Alcântara.

 

Alcantara.jpg

 

 

Actualmente vivo no Cadaval, mas, sempre com saudades da minha Lisboa e da minha freguesia,   gostaria,  tal como meu avô idealizou,  o poeta escreveu e a   DIVINA PROVIDÊNCIA, lhe concedeu.

 

            QUE DEUS ME DÊ A GRAÇA, A ALEGRIA

            NESTA VIDA TÃO CHEÍNHA DE DESGOSTOS

            A IR MORRER NA MINHA FREGUESIA.... ALCÂNTARA

 

 

 

A Igreja de São Pedro em Alcântara, situa-se na freguesia de Alcântara, no concelho de Lisboa, na Calçada da Tapada.

Esta igreja paroquial, foi erigida em 1782, tem traços semelhantes á Basílica da Estrela, embora de dimensões mais reduzidas.

São Pedro de Alcântara, de nome verdadeiro Juan de Garabito y Vilela de Sanabria (Alcántara, Extremadura, 1499 — Arenas de San Pedro, Castela e Leão, 18 de Outubro de 1562) foi um frade franciscano espanhol.

Nasceu no seio de uma família nobre. Estudou Direito na Universidade de Salamanca, mas abandonou os estudos e tomou uma vida religiosa em 1515 no convento de São Francisco de los Majarretes, perto de Valência de Alcântara, onde toma o nome de frade Pedro de Alcântara.

Viajou até Portugal para reformar uma das Províncias Franciscanas da altura. Estabeleceu-se na Serra da Arrábida, no século XVI, sendo bastante apreciado pelo rei D. João III. Fundou uma série de mosteiros para os chamados Arrábidos (ou Capuchos, noutras zonas do país). Escreveu toda a regra da comunidade em Azeitão. Mais tarde os Arrábidos foram colocados no Convento de Mafra por D. João V. Acabaram por ser expulsos quando da implantação do Liberalismo e foram reintegrados na Ordem Franciscana.

 

Escreveu o "Tratado da Oração e Meditação".

Foi beatificado pelo papa Gregório XV em 1622 e canonizado por Clemente IX em 1669.

 

                                   

 

A aparição de João Capistrano a Pedro de Alcântara. Luca Giordano

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Lisboeta e de Alcantara
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Agosto de 2013

FRUTUOSO FRANÇA

 

Nasceu em Lisboa no bairro de Alcântara) em 1912, tendo começado a cantar o fado muito jovem, nas sociedades de recreio, onde também fez teatro dra­mático. Participou em cegadas, estreando-se numa da autoria de Carlos Conde intitulada «Carnaval da Vida». Cantou nos antigos retiros Perna de Pau e Ferro de Engomar, na Adega Vitória, no Café dos Anjos, no Retiro da Severa, no Solar da Alegria, no Café Mondego, no Café Ginásio e no Café Luso (da Avenida).

 

Em 1936 iniciou a sua carreira de cantador profissional, no Café Luso (da Avenida) e também quando este foi transferido para a Travessa da Queimada, onde ainda hoje existe.

Participou nas revistas "Iscas Com Elas" e "Dança da Luta" (1938) levadas à cena no Teatro Apolo, conquis­tando o público com o seu estilo castiço e com as letras dos seus fados.

Em 1950 parte para Angola, onde permaneceu durante dez anos a trabalhar na sua profissão de cortador de carnes, mais tarde na Rodésia, África do Sul e Holanda.

Regressa a Portugal em 1976, e reinicia a sua actividade de cantador, actuando em festas, em casas típicas,  na televisão e na rádio.

È dos fadistas que tem todo o seu repertório gravado em discos,  nos quais inclui fados com músicas da sua autoria como Anabela, Amigos São Inimigos, O Mineiro, Doutora Inocente, Diálogo em Sentido Figurado, Coisas da Vida, Salve!, Vê-te ao Espelho e Eterno Amor de Mãe, O Sábio e o Barqueiro, Fado Cadillac, Maria da Paixão, Contraste, Não Com­preendo, etc., para além de outros autores.

Dos cerca de 30 fados cantados por Frutuoso França, um dos que tiveram maior audiência foi “O Médico e a Duquesa”, com música sua e letra de Joaquim M. S. Teixeira.

Nos anos 80, em que eu trabalhava como produtor cinematográfico, com os realizadores de filmes de animação, Mário Neves Sénior e Mário Neves Júnior, decidimos fazer um pequeno filme documentário numa sátira ao poema do “Médico e a Duquesa”, que para não ser muito dispendioso nós próprios éramos os actores e técnicos.

O pequeno filme (tem o mesmo tempo do disco, pois a música de fundo e o cantar é a própria narração),  estreou no Condes antes do filme principal em cartaz.

Foram vários dias de filmagens, só os três no estúdio, em que era mais o tempo que riamos às gargalhadas, do que filmávamos, com as fotos que vos mostro a seguir podem deduzir“o gozo” que nos deu fazer este filme.

Eu fui o mais sacrificado, tive que cortar o bigode, fiz o “travesti” da Duquesa  e andei vários dias enjoado com as pinturas.

Infelizmente não consegui arranjar o tema cantado pelo Frutuoso França, pois julgo que só existe em disco de massa para grafonola, mas transcrevo a letra, que conjuntamente com as fotos vos dará uma ideia do trabalho final.

Entretanto estou a tentar arranjar uma cópia do filme na Cinemateca Nacional, pois perdi o contacto do pai e filho Mário Neves.

Vítor Duarte Marceneiro

 

VIDEO CLIP - O Médico e a Duquesa

 

  

  

  

O MÉDICO E A DUQUESA

 

Autor: Frutuoso França Foto 1

 

Era um médico ilustre e inteligente

Que o povo humilde amava com prazer

E ele a todos queria meigamente

Salvando muita gente de morrer.

 

Mas num dia fatal se apaixonou

p'la mais linda cliente, uma duquesa,

Que dele escarneceu e assim falou:

"Não lhe dou minha mão, sou da Nobreza!"

 

Foto 2

Mais tarde a duquesa adoecia

E os grandes da Ciência são chamados,

Mas pertinaz doença a envolvia

Deixando os cirurgiões desanimados.

 

Foto 3

 

Ela ao ver-se pior, desfalecida,

Do seu médico antigo se lembrou.

E esse jovem doutor salvou-lhe a vida

O que a muitos colegas espantou.

 

 Ela então ofereceu-lhe a sua mão

Para lhe pagar, altiva e sedutora Foto 4

Mas teve uma tremenda decepção

Ouvindo esta resposta esmagadora.

 

"Se vós sois da Nobreza, é por dever

Qu'assim me quereis pagar, mas (se me entende)

Eu sou muito mais nobre, pode crer,

Pois o amor duquesa não se vende

 

Foto 5 Foto 6

 

Curta Metragem cores 35mm (1980)

Realizador: Mario Neves

Efeitos especiais: Mário Jorge

Produção: Vítor Duarte

 

Foto 1 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 2 - Duquesa (Vítor Duarte)

Foto 3 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 4 - Duquesa (Vítor Duarte) com Médico (Mário Jorge)

Foto 5 - Duquesa (Vítor Duarte) com Mordomo (Mário Neves)

Foto 6 - Mário Jorge, Mário Neves e Vítor Duarte

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Saudoso, Velhos Tempos
música: O Médico e a Duquesa
publicado por Vítor Marceneiro às 22:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

A Casa da Mariquinhas - O Leilão da Mariquinhas

 

 

A CASA DA MARIQUINHAS

Foram muitos os temas que Alfredo Marceneiro cantou, mas, de entre todos eles, houve um que teve  grande êxito com versos  da autoria do grande jornalista e poeta Silva Tavares e que foi, aliás, considerado o "ex-libris" das suas criações, " A Casa da Mariquinhas".
 Todos os que o escutavam, eram unânimes em afirmar que os versos que Silva Tavares escreveu, quando cantados pelo Alfredo, "viam imagens reais". Marceneiro, numa ideia genial, decide  demonstrar a todos que, também no seu ofício, é um mestre e na escala de 1/10 constroi em madeira a Casa da Mariquinhas, recriando todos os pormenores que são descritos nos versos do fado.


Alfredo Marceneiro canta

A Casa da Mariquinhas



 "CASA DA MARIQUINHAS"

 

                                         É numa rua bizarra 
                                         A casa da Mariquinhas
                                         Tem na sala uma guitarra
                                         Janelas com tabuínhas.

 

Vive com muitas amigas
Aquela de quem vos falo
E não há maior regalo
De vida de raparigas
É doida pelas cantigas
Como no campo a cigarra
Se canta o fado á guitarra
De comovida até chora
A casa alegre onde mora
É numa rua bizarra

 

                                                 Para se tornar notada
                                                 Usa coisas esquisitas
                                                 Muitas rendas, muitas fitas
                                                 Lenços de cor variada
                                                 Pretendida e desejada
                                                 Altiva como as rainhas
                                                 Ri das muitas, coitadinhas
                                                 Que a censuram rudemente
                                                 Por verem cheia de gente
                                                 A casa da Mariquinhas

 

É de aparência singela
Mas muito mal mobilada
No fundo não vale nada
O tudo da casa dela
No vão de cada janela
Sobre coluna, uma jarra
Colchas de chita com barra
Quadros de gosto magano
Em vez de ter um piano
Tem na sala uma guitarra

 

                                                  Para guardar o parco espólio
                                                  Um cofre forte comprou
                                                  E como o gás acabou
                                                  Ilumina-se a petróleo
                                                  Limpa as mobílias com óleo
                                                  De amêndoa doce e mesquinhas
                                                  Passam defronte as vizinhas
                                                  Para ver oque lá se passa
                                                  Mas ela tem por pirraça
                                                 Janelas com Tabuinhas

 

O tema  " A Casa da Mariquinhas ", teve tal êxito, que levou  outros poetas a se basearem nele, Linhares Barbosa, Carlos Conde e Dr. Lopes Victor,  compondo outras versões igualmente cantadas por Marceneiro:

O poeta João Linhares Barbosa, escreveu:


Vítor Duarte Marceneiro canta

O Leilão da Mariquinhas



O LEILÃO DA MARIQUINHAS

 

                                        Ninguém sabe dizer nada
                                        Da famosa Mariquinhas
                                        A casa foi leiloada
                                        Venderam-lhe as tabuinhas

 

Ainda fresca e com gagé
Encontrei na Mouraria
A antiga Rosa Maria
E o Chico do Cachené
Fui-lhes falar, já se vê
E perguntei-lhes, de entrada
P´la Mariquinhas coitada?
Respondeu-me o Chico: e vê-la
Tenho querido saber dela
Ninguém sabe dizer nada.

 

                                                  E as outras suas amigas?
                                                  A Clotilde, a Júlia, a Alda
                                                  A Inês, a Berta e a Mafalda?
                                                  E as outras mais raparigas?
                                                  Aprendiam-lhe as cantigas
                                                  As mais ternas, coitadinhas
                                                  Formosas como andorinhas
                                                  Olhos e peitos em brasa
                                                  Que pena tenho da casa
                                                  Da formosa Mariquinhas.


Então o Chico apertado
Com perguntas, explicou-se
A vizinhança zangou-se
Fez um abaixo assinado,
Diziam que havia fado
Ali até de Madrugada
E a pobre foi intimada,
A sair, foi posta fora
E por more de uma penhora
A casa foi leiloada.

 

                                                 O Chico foi ao leilão
                                                 E arrematou a guitarra
                                                 O espelho a colcha com barra
                                                 O cofre forte e o fogão,
                                                 Como não houve gambão
                                                 Porque eram coisas mesquinhas
                                                 Trouxe um par de chinelinhas
                                                 O alvará e as bambinelas
                                                 E até das próprias janelas
                                                 Venderam-lhe as tabuinhas.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Duas Gerações
música: A Casa e o Leilão da Mariquinhas
publicado por Vítor Marceneiro às 19:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

LISBOA VAI PARA O GUINESS ? Vai... Vai...

Vítor Duarte é fadista amador, mas no que diz respeito à escrita considera-se um profissional. "Sou a pessoa que mais escreveu sobre fado em todo o mundo", garante. Refere-se ao blogue "Lisboa no Guiness" (só com um "n"), que mantém desde2007. Principal objectivo: "Divulgar o fado, fazer intervenção cívica e, acima de tudo, ajudar a candidatar Lisboa ao Livro Guinness dos Recordes como a cidade mais cantada do mundo." Dito de outro modo: "Se há tanta coisa no Guinness e se eu sou um apaixonado por Lisboa e poesia, porque é não haveria de fazer isto?".

Neto de Alfredo Marceneiro (1891- 1982),Vítor Duarte tem 66 anos, nasceu em Alcântara e vive no Cadaval. Adoptou, tal como o avô, a alcunha Marceneiro. Hoje tem um filho de 12 anos chamado Alfredo. Em 1995 publicou a biografia Recordar Alfredo Marceneiro.

Em conversa telefónica com a Time Out, num estilo palavroso e incansável, Vítor Duarte conta que Lisboa é a sua grande paixão. "E como uma mulher muito linda a quem os poetas dedicam poemas de amor." A infância passada em Campo de Ourique, sob o olhar atento do avô fadista, terá forjado a paixão.

Garante que a candidatura ao Guinness já foi aceite, mas ainda não produziu efeitos porque não há concorrentes. "Se me candidato a um recorde, tenho de ter outra pessoa que se proponha ultrapassar-me. Como isso ainda não aconteceu, aguardo o reconhecimento deste recorde."

Os critérios de Vítor Duarte para fazer de Lisboa recordista são talvez extravagantes, mas são os dele. "Por cada poema para fado que inclui a palavra Lisboa, há uns 20 que falam da cidade sem referirem o nome e eu só incluo aqueles que dizem Lisboa explicitamente. Mas não me interessam só os poemas que foram musicados para fado, as letras soltas também contam. Todos os dias me enviam poemas e além disso a palavra 'cantar' aplica-se tanto à música como à leitura de poesia." Percebe-se? "Tenho milhares de poemas potenciais e neste momento transcrevi 533, dos quais 393 são fados. Se alguém quiser bater este recorde, estou em condições de responder com milhares de poemas."

Já teve mais de 716 mil visitantes únicos no blogue. E se a paciência não lhe faltar, há-de conseguir o recorde que lhe dá alento.

In: Time Out Entrevista de Bruno Horta 16 de Novembro de 2011

 

Lisboa irá para o Guiness de certeza absoluta, volto a lembrar como tudo começou...
 
Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: VIVA LISBOA
publicado por Vítor Marceneiro às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 30 de Junho de 2008

SOMOS LIVRES!

 

ou GAIVOTA, foi uma canção que andou na boca de todos nós,  logo após a "Revolução dos Cravos". Foi desaparecendo, tal como se iam esfumando as nossas esperanças. 

É certo que ganhámos a "Liberdade de Expressão", mas seremos realmente livres?

Começa-se novamente a relembrar esta extraordinária canção, que Ermelinda Duarte compôs, será um sinal de mudanças de pensamento e de atitudes.

Fiquei muito feliz quando a minha filha mais pequena me chegou a casa a cantar este tema, porque  a tinha aprendido no infantário, mas curioso também, foi saber que a professora de música do meu filho,  no básico, também a anda a ensinar...

Sinais de mudança?... veremos!

 
 
 
 
 
 
Somos Livres
 
Música, letra e interpretação de Ermelinda Duarte
 
Ontem apenas
fomos a voz sufocada
dum povo a dizer não quero;
fomos os bobos-do-rei
mastigando desespero.
 
                         Ontem apenas
                         fomos o povo a chorar
                         na sarjeta dos que, à força,
                         ultrajaram e venderam
                         esta terra, hoje nossa,
                         esta terra, hoje nossa
 
Uma gaivota voava, voava,
asas de vento,
coração de mar.
Como ela, somos livres,
somos livres de voar.
 
                        Uma papoila crescia, crescia,
                        grito vermelho
                        num campo qualquer.
                        Como ela somos livres,
                        somos livres de crescer,
 
Uma criança dizia, dizia
"quando for grande
não vou combater".
Como ela, somos livres,
somos livres de dizer.
 
                       Somos um povo que cerra fileiras,
                       parte à conquista
                       do pão e da paz.
                       Somos livres, somos livres,
                       não voltaremos atrás.
 

 

 

 

Versão integral cantada pela autora Ermelinda Duarte

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Contente
música: Somos Livres de Ermelinda Duarte
publicado por Vítor Marceneiro às 22:37
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 28 de Abril de 2008

RAÍZES DE MARCENEIRO…. pôem FADO EM MOVIMENTO

RAÍZES DE MARCENEIRO…. pôem FADO EM MOVIMENTO


Trata-se de um espectáculo de som, animação de imagem e canto ao vivo, onde se recordam grandes nomes do Fado, passando em revista a sua biografia, ao mesmo tempo que se projectam fotografias de arquivo, excertos sonoros de filmes em que participaram, capas de discos, cartazes de espectáculos, etc., e se cantam fados do seu repertório e outros, por vozes conhecidas do nosso melhor meio fadista, acompanhados por guitarristas e violistas. A concepção, locução e parte do canto são feitos por Vítor Duarte “Marceneiro” (neto de Alfredo Marceneiro), investigador, conferencista e crítico. É membro da Direcção da A.P.A.F, e autor de dois livros monográficos sobre o seu avô, e um sobre Hermína Silva, tendo em preparação, um outro sobre Amália Rodrigues. É ainda autor do projecto “Lisboa a cidade mais cantada do mundo” que o levou a construir um blog na internet http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt
que tem sido visitado e apreciado por de mais de 300.000 leitores em pouco mais de um ano, que a par de outros trabalhos e publicações, veio contribuir para que tivesse sido galardoado com o prémio “Ensaio/Divulgação”, pelo júri dos Prémios da Gala Amália Rodrigues 2008. As vozes convidadas são de reconhecido mérito, escolhidas entre contemporâneos das figuras celebradas e jovens valores, normalmente triunfadores das mais recentes edições da Grande Noite do Fado ou outros certames do género. Vítor Duarte, comenta as carreiras das figuras tratadas e as imagens que se vão projectando, em diálogo informal e descontraído com o público, num ecrã onde se projectam as imagens animadas e legendadas, em diaporama. O espectáculo vai alternando sequências de imagens, comentários e histórias curiosas, com a execução de fados pelo próprio e pelos outros intervenientes, incluindo-se uma guitarrada para enaltecer o papel da guitarra portuguesa, já que os músicos são profissionais da melhor qualidade. O espectáculo está organizado por módulos, podendo incidir apenas sobre uma figura, ou duas, ou três, ou todas, dependendo do tempo disponível, a acordar com a entidade contratante, podendo ir de uma a mais horas e incluir um número variável de fados cantados pelos intérpretes presentes, assim como pode ser programada uma sequência de espectáculos com intervalos regulares, todos de conteúdo diferente. Normalmente o espectáculo incluindo um curto intervalo tem a duração de cerca de 2 horas, mas quase sempre o público reage muito bem à metodologia e o espectáculo acaba por se prolongar sempre um pouco mais. Resumindo, os elementos intervenientes, são, Vítor Duarte e outro fadista, e mais 2 vozes femininas, acompanhados musicalmente por um guitarra e um viola. Este espectáculo/conferência, já foi levado a efeito em várias instituições, como MUSEU DO FADO, MUSEU DA MÚSICA, FORUM CML ALMADA, CINE-TEATRO DE BENAVENTE, assim como em salas de prestigio, do PORTO, BRAGA, ALMEIRIM, LAGOS, SAGRES, CADAVAL, e ainda várias colectividades na área de Lisboa.
Contactar

965240817

marceneiro@sapo.pt
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 07:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags