Sábado, 9 de Janeiro de 2016

VASCO SANTANA

Vasco António Rodrigues Santana (1898-1958)

O público elege os seus artistas, e, se de uns se cansa ao fim de alguns anos, a outros nunca mais os larga, estabelecendo com eles uma mágica cumplicidade. E por isso que há cómicos que basta aparecerem em cena para, mesmo sem abrirem a boca, o público desatar logo a rir. Mas com Vasco Santana o caso ia mais longe. Era só ou­vi-lo falar nos bastidores e a sala vinha abaixo à gargalhada.

Essencialmente um actor de comédia, Vasco Santana chegou ao teatro através da revista, e, à primeira vista, por acidente. Nascido numa família ligada ao teatro, sobrinho do empresário e autor Luís Galhardo, filho do conhecido encenador Henri­que Santana (1876-1935), cursava as Belas-Artes, aos 19 anos, e era frequentador assíduo das caixas dos teatros. Sabia de cor o papel do ' 'compère" que Artur Rodri­gues fazia na revista O beijo (1917). E, por isso, quando aquele actor adoeceu e Vas­co passou pelo Avenida, numa tarde de domingo, de tipóia, pronto a bater para os toiros, a ver o Belmonte, pegaram nele, pintaram-no, vestiram-lhe a farpela do ' 'compère", meteram-no numa mala, fizeram-no subir num alçapão, e eis no palco, fazendo a sua improvisada estreia, um dos cómicos que o público mais iria amar.

Como o "compère" não melhorou, Vasco Santana ficou até ao fim da revista, a que logo outra se seguiu. Passou pela companhia Satanela-Amarante, onde criou o Nem de Míss Diabo (1918), e manteve-se muitos anos na companhia de operetas de Armando de Vasconcelos, destacando-se no repertório vienense, com breves escapadelas à revista.

A comédia O meu menino (1930) traz-lhe um daqueles sucessos que consa­gram definitivamente um artista. É durante as representações desta peça que morre uma das intérpretes, a actriz-cantora Aldina de Sousa, a quem Vasco Santana estava há anos ligado, o que provoca grande mágoa entre artistas e público.

Tirando partido da sua figura avantajada, inexcedível no improviso, no aparte, Vasco encabeça companhias de comédia, somando êxitos populares, como Descul­pa, ó Caetano (1932), conquistando um público que acorre apenas o seu nome é anunciado e, até ao fim, se lhe mantém fiel. Quando aparece na revista, especialmen­te ao lado de Beatriz Costa (Santo António, 1934; Arre, burro, 1936), as suas rá­bulas são de efeito seguro.

Enquanto dura o seu casamento com Mirita Casimiro (1940-1946), representa quase sempre ao seu lado, em operetas (Ribatejo, 1939; Coíete encarnado, 1940; A invasão, 1945) e revistas (A grande paródia, 1941; Aleluia, 1942; Cantiga da rua, 1943; Baile de máscaras, 1944), formando com ela um par contrastante estilo Bucha e Estica, cheio de comicidade, que o público acarinha sem reservas. Vas­co é autor de quase todos esses êxitos, assim como do argumento de filmes muito

po­pulares.

É deste período Alto lá com o charuto (1945) — a revista que mais tempo es­teve no cartaz, na década de 40 — onde Vasco teve excelentes rábulas de recorte po­lítico {o Fogueteiro e o Nero, deitando fogo a Lisboa, como já se fizera, em 1907, no O da guarda) e um travesti de sensação, em duo com Mirita: Manas Remendonças, paródia às cantoras da rádio — tipo irmãs Meireles — que então abundavam. Outro seu travesti famoso foi a cozinheira, ao lado de António Silva, o cómico que com ele melhor contracenou, fazendo então a criada de fora, nesse dueto da revista Se aquilo que a gente sente... (1947).

Além do cinema e do teatro, também a rádio foi um óptimo veículo para Vasco Santana. Os diálogos Zequinha e Lelé, cenas da vida de um casal lisboeta, que a Emissora Nacional transmitiu aos domingos durante muitos meses (1947-1948), fo­ram imensamente populares e neles Vasco lançava ditos que toda a gente repetia, desde o bem disposto "tá bem ou não tá?", com que interrogava a Lelé (Irene Velez), ao enfadado "aquela santa", com que se referia à sogra (Maria Matos).

Nas pausas da comédia, onde agrada sempre ao público, mesmo que se repita em espectáculos de pouco nível, Vasco Santana consegue boas actuações na revista, contracenando com as estrelas do momento: Hermínia Silva (Ora agora viras tu, 1949, com rábulas de grande oportunidade política), Irene Isídro, sua companheira de muitas comédias (E de gritos, 1950), Laura Alves, (Mulheres há muitas, 1954) e a talentosa brasileira Bibi Ferreira, na sua última revista Há horas felizes (1957, com o notável Pintor do Torel  uma boa imitação de Churchill).

Actor que o público ainda recorda de forma muito viva, Vasco Santana ficou no teatro português como um caso raro de popularidade e comunicação imediata.

  

In: Revista à Portuguesa de Vítor Pavão dos Santos

 

 






 

"Ó EVARISTO, TENS CÁ DISTO?..."

 

Este trocadilho dizia-o ele no filme "O Pátio das Cantigas", e ficou célebre!

Tudo o que dizia tinha graça. Bastava-lhe entrar em cena para o público começar a rir; abria a boca, as graças saíam em catadupa e as gargalhadas na sala soavam contínuas e estridentes. Era assim o Vasco Santana! a graça personificada.

A arte de transmitir a boa disposição e a alegria de viver!..

Seu pai queria que ele cursasse Belas-Artes, mas, para ele, a arte mais bela era o Teatro...

Seu tio, Luís Galhardo, era na juventude do Vasco empresario do teatro Avenida, e Vasco Santana, fugindo às aulas de Belas-Artes, passava a maior parte do seu tempo nos bastidores do teatro. Sabia de cor todos os papéis da revista que nessa altura lá estava em cena com grande êxito: "O Beijo"...

Era assim Vasco Santana.

Foi num domingo de Outubro de 1917, a matinée estava esgotada, mas o Vasco não apareceu no teatro, preparava-se para ir ver uma corrida ao Campo Pequeno, já com um bilhete de barreira na algibeira...

Porém, o destino marca a hora e, na hora em que o Vasquinho (como o tratava a família),embarcava num trem que o conduziria à praça de touros, aparece-lhe o seu tio Luís Galhardo , muito aflito a dizer-lhe que o compère da revista tinha adoecido e era preciso que o Vasco o substituísse...

"Não posso tio; vou ver o Belmonte tourear...", mas teimar com o seu tio era escusado e, contrariado lá foi para o teatro. Lá dentro meteram-no numa mala que,na devida altura, era empurrada para cena. E foi assim que o nosso Vasco Santana entrou no palco....fez o papel que (claro) sabia de cor, fez o melhor que pôde e o publico riu que se fartou. Tinha nascido o actor que durante quarenta anos fez rir o País.

Tornou-se o menino querido do Teatro, e em todos os géneros brilhou; Na Revista à Portuguesa, na Comédia, na Opereta e claro , no Cinema!!! Foi grande em tudo!

A propósito da sua estreia, costumava dizer: "Ia ver o Belmonte tourear e fui eu que, sem querer,fui colhido..." Era assim o Vasco Santana...

Uma vez , quando saía do teatro após a sessão, um homem de aspecto provinciano dirigiu-se-lhe e disse: " Fui ver a revista e o senhor fez-me rir como ainda ninguém tinha feito; tome lá cinco mil reis de gorjeta porque bem merece.....", Vasco Santana aceitou, comovido com a simplicidade e a boa intenção do homem, e arrecadou a moeda.... costumava dizer que essa moeda simbolizava a sua consagração, e guardou-a durante toda a sua vida.

Para a Revista à Portuguesa que progressivamente tem vindo a perder valores, a perda do Vasco Santana na altura, foi irreparável, ele era único e insubstituível.

 

Manuel Gírio

Carlos Escobar

  


CANTIGA PARA O VASCO SANTANA

 

Poema de Carlos Escobar

 

Ele foi Vasco Vasquinho

Ele foi o que quis ser

Foi policia, foi ladrão

Foi doutor, foi aldrabão

Vejam lá que foi mulher !!!

 

                                  Ria tudo à gargalhada

                                  Quando chegava o Santana

                                  Ele era cada piela

                                  Aos tombos pela viela

                                  Que às vezes ia de cana

 

Foi talvez o mais Vascão

Foi desde a rádio à revista

Era gordo, nós sabemos

E que saudades nós temos

Desse gordo, desse artista

 

                                 Fico triste quando penso

                                 Porque não temos já disto

                                Tanta arte, na verdade

                                 De perguntar dá vontade

                                 "tens cá disto, ó Evaristo ???"

 

Inda agora, quem diria

Quando dá filme do vasco             

Na família há alegria

Há gargalhada no tasco

 

 


  

 

Vasco Santana e Mirita Casimiro, a dupla mais cómica e que mais agradou ao povo do seu tempo (Foto  1936)
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags