Domingo, 1 de Junho de 2014

Vítor Marceneiro - Cantar Lisboa

 

Lisboa e as Fadistas (Edição discográfica da Tradisom/José Moças)

 

 

 

 

 

Lisboa… é cantada, Lisboa… é pintada.

 

É estudada, comentada, vivida e sentida por todos, eruditos ou não, que,  afinal, se unem numa só causa: adorá-la, escutá-la e vê-la cintilar por todo o Mundo.

 

Nos poemas sobre Lisboa, transparece o propósito de apresentar uma crónica intensa e profundamente sentida, desdobrando-se e enredando-se nela o autor, por vezes em versos despretensiosos, ditos de “pé-quebrado”, mas nunca desrespeitando o rigor documental da história, num turbilhão de rimas e acidentados ritmos.

 

As cantigas que se fazem a Lisboa são declarações apaixonadas de amor. Os poetas personificam, na capital, a sua dama e rasgam-lhe um sem-número de galanteios e piropos, vendo sempre, na sua cidade amada, a mais cantada e colorida do Mundo. E é nesta cor local que jogam as suas rimas e seus estribilhos... Lisboa Princesa, Lisboa coroada Rainha, Lisboa “menina e moça”, Lisboa mãe, avó Lisboa, madrinha Lisboa, Lisboa amada, Lisboa dos meus amores, Lisboa do meu coração, Lisboa vai!, etc., etc.

 

Nas declarações de amor que recebe dos poetas seus enamorados, Lisboa tem todo o encanto e fica vaidosa, porque sabe que é bonita, não pela opulência, mas, sim, pela sua alegria e graça natural. Hoje é consensual que a nossa Lisboa é a mais cantada e a mais amada cidade do mundo. É a cidade das mil e uma cantigas.

 

Não se conhecem dados, de fonte fidedigna, que nos permitam saber qual terá sido o primeiro Fado dedicado a Lisboa, sabe-se, sim, que esta relação é antiga e terá começado no início do século XIX. Embora se trate inquestionavelmente de uma expressão de música popular urbana nas suas raízes, o tema principal do Fado não é apenas a cidade, destacando-se também a vida, a tragédia e o amor, ou seja, no fundo, a essência do chamado “estado de alma do fadista”.

 

Assim, o Fado tradicional tem como uma das suas regras básicas contar uma história, seja ela de amor, de tragédia ou de outro mote qualquer, mas é a saudade, que os portugueses orgulhosamente reivindicam como um sentimento enraizado nas suas almas, que ocupa o lugar central: a saudade, na partida para o  mar, dos pescadores, dos marinheiros, dos que emigram. Todo o português afirma, ao partir, que  leva no coração a saudade da pátria, da família e dos amigos… a saudade é destino, é signo de português, é o nosso Fado.

 

Lisboa e os seus bairros, as suas sete colinas, os lugares pitorescos, o rio Tejo que a envolve são cantados em muitos géneros musicais, mas o Fado é, sem dúvida, maioritário, seguindo-se as marchas populares, que saíram à rua a partir de 1932. Em cada ano, escrevem-se centenas de poemas sobre Lisboa, sempre lindos e diversos, que versam o mesmo tema, mas nunca se repetem. Este acervo iconográfico à cidade “musa inspiradora” não impõe limites à imaginação e criatividade dos poetas/letristas, tal é a sua beleza,  e, curiosamente, muitos destes temas que são compostos para os concursos das marchas preenchem a métrica para Fado, passando a serem cantados nas músicas dos Fados tradicionais.   

 

De igual modo, o Teatro de Revista produziu muitos temas que passaram a ser elevados a  fados clássicos. De facto, este tipo de teatro, também chamado “revista à portuguesa”, muito centrada em Lisboa, contribuiu bastante com o chamado “Fado revisteiro” para a  notoriedade, no início do século XX, de muitas mulheres fadistas. Muito embora tenha sido, muitas vezes, considerado como um “subgénero do Fado”, ele foi, sem sombra de dúvidas, um grande contributo para a divulgação do Fado e da mulher fadista. 

 

Ícone desta mulher é a Maria Severa (1820-1846), figura mítica de Lisboa, considerada a fundadora do Fado e heroína de um romance de Júlio Dantas. Foi com base nesta figura de Lisboa, que a mulher fadista mais se afirmou, sobretudo quando esta obra foi transposta para o teatro, em 1901, e que, tal como aconteceu com o romance, obteve estrondoso sucesso. Posteriormente, a Maria Severa continuou a ser motivo de inspiração. Em 1909, surgiu mais um êxito, uma “Opereta”, adaptada por André Brun e musicada pelo maestro Filipe Duarte, e na década dos anos 30, o Fado e as fadistas tiveram novo motivo de orgulho, desta vez através da Sétima Arte, o cinema. O primeiro filme sonoro português foi uma nova adaptação de “A Severa” de Júlio Dantas, feita pelo realizador Leitão de Barros. Neste filme, Dina Teresa cantava o «Fado da Severa» (também conhecido como «Rua do Capelão»), incluído na presente compilação.

 

O Fado é cantado pelas fadistas de Lisboa, de vestido preto com um xaile aos ombros, num ambiente de silêncio e respeito à média luz, ao som do trinar de uma guitarra.

 

E agora, caro/a leitor/a,… silêncio, que se vai cantar o Fado!

 

© Vitor Duarte Marceneiro/Tradisom

 

 

 Vítor Duarte Marceneiro

Canta: Bairros de Lisboa

Letra de Carlos Conde e música de Alfredo Marceneiro (Fados Pajem)

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Linda Lisboa
música: Bairros de Lisboa
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Site Portugues
Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

árvore de natal

ary dos santos

aurélio da paz dos reis

avelino de sousa

bairros de lisboa

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

fernando farinha

fernando maurício

fernando pessoa

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags