Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Alfredo Duarte Jr. (Marceneiro Filho)

QUE SAUDADES....

ALFREDO DUARTE JUNIOR

No dia 26 de Maio de 2009,  forão transladados os seus restos mortais  da campa no talhão dos artistas no Cemitério dos Prazeres, para um gavetão.

Faz dia 6 de Junho 10 anos que nos deixou,

Ainda na memória dos verdadeiros amantes do Fado, o «castiço - o fadista bailarino» Alfredo Duarte Junior, sempre fez por honrar o nome do seu pai, Alfredo Marceneiro. Já se tem feito  história de alguns fadistas grandes intérpretes do Fado.

A carreira de Alfredo Duarte Junior, meu pai merece, e terá decerto, um interessante e importante capítulo para o recordar, na história do Fado.

 


 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Com Saudades
publicado por Vítor Marceneiro às 18:53
link do post | comentar | favorito
15 comentários:
De Pedro Pimenta a 14 de Fevereiro de 2007 às 00:48
Já agora proponho uma campanha para uma rua de Lisboa com o nome do "fadista bailrino". E viva a Dinastia Marceneiro!
De Almeida Coelho a 16 de Fevereiro de 2007 às 10:33
Dar nomes de fadistas ou outros cultores do fado, como músicos, poetas, etc, a ruas de Lisboa parece-me um acto de elementar reconhecimento público e justiça. Se a cidade acolhe na sua toponímia tantos outros nomes, será natural que homenageie desta forma aqueles que mais e melhor contribuiram para o reconhecimento da canção lisboeta: o fado, filho predilecto da cidade, sem dúvida. Se o fado nasceu em Lisboa só há que honrar aqueles que pelo fado se têm empenhado.
De Pedro Pimenta a 18 de Fevereiro de 2007 às 14:12
Permita que o cumprimente e considere lapidar este seu comentário sobre ruas de Lisboa com nomes ligados ao fado.
De Vítor Marceneiro a 14 de Fevereiro de 2007 às 12:30
Muito obrigado pela sua sugestão.
Seria uma honra para mim como deve calcular - é o meu saudoso pai.
Vitor Duarte
De Pedro Penedo a 14 de Fevereiro de 2007 às 14:46
Se não me falha a memória vai fazer 8 anos que o nosso querido " Gingão" - Fadista Bailarino o Marceneiro Filho nos deixou
Penso que o Vítor por vezes dá sempre um grande destaque ao seu avô, esquecendo-se (penso eu) que o pai também foi um grande fadista, talvez o último fadista «castiço» dos últimos tempos.
De Julio Guedes a 14 de Fevereiro de 2007 às 22:38
O amigo Pedro Penedo tem toda a razão porque ainda não se prestou a homenagem mais do que merecida a este grande homem do fado, que criou um estilo próprio e unico até hoje
De Pedro Pimenta a 15 de Fevereiro de 2007 às 11:32
A APAF que realiza tantas homenagens podia lembra-se do "fadista bailarino" que terá usado cachené antes do pai, segundo julgo. O Vítor Duarte Marceneiro terá com certeza os meios e a capacidade para fazer uma homenagem ao Alfredo Duarte Jr. no Museu do Fado onde realizou as outras e a APAF organiza um jantar.
De APAF a 16 de Fevereiro de 2007 às 10:40
A APAF tem um plano de actividades e como associação sem fins lucrativos nem apoios alguns, em termos financeiros, procura gerir o melhor possível os seus recursos e mobilizar não só os seus sócios como o meio fadista. Temos evocado várias figuras do fado e Alfredo Duarte Jr. poderá ser uma delas no futuro! Num jantar-temático, num debate, numa apresentação ou em qualquer outro evento que entermos interessante e motivador. A APAF não tem por fim organizar jantares mas que estes sejam um ponto de encontro, de certa forma uma tertúlia. Foi num jantar temático que se iniciaram as comemorações dos 150 anos da Severa, e num jantar temático homenageámos José Viana (ainda entre nós) , António Mourão, Fernanda Baptista, Cidália Moreira e Anita Guerreiro, e muitas outras personalidades ou temas foram motivo para reunir amigos do Fado!
De Armindo Rosa a 14 de Fevereiro de 2007 às 23:39
Os meus parabéns ao meu amigo Vitó pelo seu blog, que além do objectivo de levar Lisboa para o Guiness, que eu penso que será alcançado, porque creio que Lisboa, seja mesmo a cidade mais cantada do Mundo, contribui também para que se fale de fado e dos fadistas. E finalmente o meu amigo Vitó falou no seu pai, depois de muitas vezes eu lhe ter lembrado, que o pai também é um nome grande do fado, muito discutido, é certo, pelo seu estilo, mas que teve a coragem de criar um maneira especial de cantar, como diz o poema do Carlos Conde. Parabéns Vitó.
De Amadeu Antunes a 17 de Fevereiro de 2007 às 11:48
Carlos Conde foi dos poetas que, em meu entender, mais cantou Lisboa - autêntico aguarelista como o Mestre Real Bordalo, mas em palavras - como contou histórias de Lisboa.
De Vítor Marceneiro a 17 de Fevereiro de 2007 às 14:36
Concordo consigo, felizmente que deixou uma geração, e o seu bisneto Paulo Conde, editou um livro dobre a obra do bisavô que está muito bem elaborado a que deu o título:
"A Vida e Obra do Poeta Carlos Conde"
De Pedro Pimenta a 17 de Fevereiro de 2007 às 17:43
Ora "castiço" o que é isso do "fado castiço"? Há hoje quem o cante? "Castiço" é o fado da Tasca do Chico? Ou do Caldo Verde?
De Vítor Marceneiro a 17 de Fevereiro de 2007 às 18:39
Meu Caro Pedro Pimenta
Para lhe explicar o que que significa "castiço", que é um termo "fadista" que vem de tempos idos, ainda nós não éramos vivos, teria eu que ter argumentos para por exemplo lhe explicar o que é a "alma", ora acontece que o "castiço" de que aqui falei é um sentir de alma que não toca a todos, é mais que evidente que o meu amigo nunca o entenderá, e sabe porquê? a culpa não é sua, é um estado de alma que só alguns sentem, e obviamente que a si não o atingiu.
Cumprimentos
De Pedro Pimenta a 18 de Fevereiro de 2007 às 14:11
Escreve "teria eu de ter argumentos" pois é esse o cerne da questão: não tem argumentos! Sendo utilizado como adjectivo, "castiço" tem de ser explicável! Até os estados de alma se entendem. Leia os poetas e perceberá! Mas quem hoje canta o castiço? O Vítor certamente e mais alguém? Que nomes há hoje? Que nomes correspondem a tal qualificativo? O António Rocha?
A etimologia talvez o ajude a perceber!
De Vítor Marceneiro a 18 de Fevereiro de 2007 às 14:27
Meu Caro Pedro Pimenta.
Retiro que disse anteriormente, isto porque com esta sua resposta percebi a sua provocação (no bom sentido), pois a sua rersposta e pergunta não me deixa dúvidas que sabe e talvez sinta o que é ou não "castiço", portanto se me permite a minha provacação (no bom sentido) fez efeito.

Comentar post

Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

a severa

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fadista bailarino

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

fernando pinto ribeiro

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

poeta e escritor

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags