Segunda-feira, 20 de Maio de 2019

José Viana - Actor, Desenhador, Escritor e Cantor - Zé Cacilheiro


José Maria Viana Dionísio nasceu em Lisboa, a 6 de Dezembro 1922.

Após a instrução primária, frequentou a Escola Industrial Machado de Castro mas não chegou a acabar nenhum curso.

Desde muito jovem que demonstrou aptidão e jeito para desenhar ,  aos 13 anos, já desenhava para o «Jornal O Senhor Doutor», o suplemento de «O Século», «Pim Pam Pum» e a fazer capas para o «O Papagaio».

O primeiro emprego foi como  retocador de gravura, na Casa Bertrand & Irmãos.

Também desde muito cedo se sente atraído pela música do swing e do jazz, passa também a cantar integrado em  conjuntos musicais que animam nas colectividades populares de cultura e recreio, posteriormente canta em recintos nocturnos, mas como segunda ocupação.

Continua a sua profissão de desenhador, até que é convidado como  publicista de cinema, para a Sonoro Filmes.

De espírito criativo e ávido de inovações, passa a frequentar a  Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul, colaborando na pintura de cenários, na época em que por lá estavam   o Jacinto Ramos, Varela Silva, Raúl Solnado,  etc.

Estreia-se como actor amador, em obras de Gil Vicente, Alves Redol, e outros.

Estreia-se na RTP com o programa  «Riscos e Gatafunhos» e depois «Melodias de Sempre», programas que lhe dão grande notoriedade.

Esteve  no Teatro de Gerifalto,  e também  Teatro ABC (Vinho Novo),  pela mão do empresário José Miguel .

Estreia-se como autor, ao lado de Nelson Barros em 1959 na revista «Mulheres à Vista», e destaca-se na rábula «Inimigo de Lisboa». Em 1963, encena pela primeira vez uma revista, «Elas São o Espectáculo», seguindo-se outro sucesso com «Embaixador do Fado».

Nas andanças do teatro de revista, conhece uma actriz brasileira Jújú Batista, que lhe dá uma filha, a Maria.

Passados alguns anos José Viana conhece Dora Leal,  com quem contracena  e passa a ser sua companheira de que resultam duas filhas (a Maria Raquel e a Madalena Leal).

Em meados da década de 60, José Viana atinge o auge da sua carreira, na Empresa de Guiseppe Bastos e Vasco Morgado, então no Maria Vitória.

O «Zé Cacilheiro» surge em 1966, em «Zero, Zero, Zero - Ordem para Matar» que teve um êxito estrondoso, o tema foi gravado em disco e muito solicitado nas rádios de então. 

Outras rábulas merecem destaque como «Carlos dos Jornais» e «Catedrático do Fado em Grande Poeta é o Zé», 1968; «O Zé Povinho vai ao Médico»; em «Mãos à Obra», 1969; «Sinaleiro de Liberdade», em «Esperteza Saloia»; 1969; «Chefe de Cozinha do Hotel Portugal», em «Pimenta na Língua», 1970; «O Zé Povinho no Frente a Frente da TV em Cala-te Boca!», em 1971 ou «Miss Chalada,» em «Ora Bolas para o Pagode», em 1972.

 José Viana e Dora Leal após os acontecimento pós-25 de Abril de 1974, (José Viana referenciado com o PCP),  voltam ao Parque Mayer, em Festa no Parque,  corria o ano de 1987, mas sem grande aceitação popular.

No cinema, José Viana teve algumas participações,  em pequenos papéis como em O «Cerro dos Enforcados», de Fernando Garcia (1953) e «Perdeu-se um Marido», de Henrique Campos (1956) mas foi em «O Recado» (1972), de José Fonseca e Costa, a «A Fuga» (1976), de Luís Filipe Rocha, «A Ilha» (1990), de Joaquim Leitão, e «O Fim do Mundo» (1992), de João Mário Grilo, que o seu talento é mais reconhecido.

Faleceu em Lisboa no dia 8 de Janeiro de 2003 

 ©Vitor Duarte Marceneiro

José Viana canta: Zé Cacilheiro

 

 

ZÉ CACILHEIRO

 

Autores: César de Oliveira

Paulo da Fonseca/Carlos Dias           

 

Quando eu era rapazote

Levei comigo no bote

Uma varina atrevida

Manobrei e gostei dela

E lá me atraquei a ela

P’ró resto da minha vida

Às vezes uma pessoa

A saudade não perdoa

Faz bater o coração

Mas tenho grande vaidade

Em viver a mocidade

Dentro desta geração

 

                                Refrão

 

                              Sou marinheiro

                              Deste velho cacilheiro

                              Dedicado companheiro

                              Pequeno berço do povo

                              E navegando

                              A idade foi chegando

                              O cabelo branqueando

                              Mas o Tejo é sempre novo

 

Todos moram numa rua

A que chamam sempre sua

Mas eu cá não os invejo

O meu bairro é sobre as águas

Que cantam as sua mágoas

E a minha rua é o Tejo

Certa noite de luar

Vinha eu a navegar

E de pé, junto da proa

Eu vi, ou então sonhei

Que os braços do Cristo-Rei

Estavam a abraçar Lisboa

 

Refrão

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: Grande Homem
música: Zé Cacilheiro
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Maio de 2019

CARLOS RAMOS - Fadista e Guitarrista

 

Nasceu no bairro de Alcântara   a 10 de Outubro de 1907, e faleceu  em Novembro de 1969.

Desde muito novo corria os locais onde houvesse Fado sempre acompanhado pela sua guitarra, para alinhar na fadistice .

Torna-se profissional em 1944 pela mão de Filipe Pinto e estreia no Café Luso com uma letra do repertório de Alfredo Marceneiro, "Senhora do Monte" com  música deste, e letra de Gabriel de Oliveira, foi decerto este fado que logo no inicio  mais contribui para a sua popularidade, e lhe deu mais nome, o próprio criador do tema, Alfredo Marceneiro o aplaudiu nessa exibição sem qualquer rivalidades, eram dois bons amigos.

Carlos Ramos, não prescindindo dos acompanhadores habituais acompanhava-se sempre tocando a sua guitarra.

Foi como guitarrista muito solicitado no Teatro de Revista. Trabalhou na Tipóia e na Tágide.

Carlos Ramos, era um homem afável, de espírito aberto e gentil, teve e tem grandes admiradores, criou um estilo muito próprio que fez escola, tem muitos seguidores do seu vasto repertório e do seu estilo, tinha uma voz doce, atraente  e sedutora, exprimindo ao cantar tal sentimento,  que tudo aquilo que dizia era  Fado.

Foi proprietário de um restaurante típico no Bairro Alto a que deu o nome de: A TOCA DE CARLOS RAMOS., que foi frequentada por toda as gentes do Fado quer artistas, quer clientes, destaca-se dos seus contratados, Alfredo Marceneiro, de quem era grande amigo,  Maria do Espírito Santo e muitos outros fadistas de nomeada.

Relembremos alguns dos seus êxitos: Não Venhas Tarde. Aquela Feia, Café de Camareiras, Chinelas da Mouraria, O amor é louco, Lisboa é Sempre Lisboa, Biografia do Fado, Anda o Fado noutra Bocas, Tempos Antigos, etc .

Compôs uma música para um fado a que deu o título "Fado Olga"

Tem bem um lugar na História do Fado de dos fadistas.

Vítima de uma trombose ocorrida nos meados dos anos sessenta, terminando assim a sua carreira artística, nessa altura vivia só,  esteve a viver em casa de meu pai e da sua companheira de então,  que o trataram e acarinharam  como se de um familiar se tratasse. 

Carlos Ramos faleu em Lisboa em 1969.

©Vitor Duarte Marceneiro

 Carlos Ramos com Fernanda Maria e Mariana Silva                                                                                        Com Alfredo Marceneiro

 

 

Carlos Ramos

Canta: Biografia do Fado

Letra e música de Frederico de Brito

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: imitado... mas não igualado
música: Biografia do Fado
publicado por Vítor Marceneiro às 19:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Maio de 2019

FERNANDO FARINHA - O Miúdo da Bica

Fernando Farinha (Vulgo Miúdo da Bica)

2-Fernando Farinha.jpg

Fernando Tavares Farinha, nasceu no Barreiro no dia 20 de Dezembro de 1928, mas só foi registado a 5 de Maio de 1929.

Em 1933 seus pais vêm par Lisboa e fixam-se no Bairro da Bica, tinha  então 4 anos.

Sendo o Bairro da Bica essencialmente bairrista e fadista decerto o fado logo o marcou e fez vir ao cimo todos os seu dotes de artista.

Aos 7 anos já cantava e entrou em vários concursos infantis, teve tanto êxito que passou a ser chamado de “Miúdo da Bica”, por esta altura foi convidado para mascote da Marcha da Bica (1935).

Aos catorze anos actua no Café Luso, Café Latino, Retiro da Severa, Café Mondego, e Solar da Alegria.

1940 Grava o seu primeiro disco EP com quatro temas: Descrença, Meu Destino, Tem Juízo Rapaz e Sempre Linda,. Acabaria por gravar durante a sua vida quase 50 discos, ainda neste ano  foi presença assídua nos serões para trabalhadores organizados pela FNAT.

1942 - Estreia como atracção no Teatro na revista “Boa Vai Ela”, em que também entrava Hermínia Silva, mais tarde nos anos sessenta ainda é atracção na revista “Sal e Pimenta”

1951 - Tem a sua primeira deslocação ao estrangeiro indo ao Brasil onde teve grande aceitação.

Ainda em 1951 é contratado pela Adega Mesquita onde se mantém durante dez anos.

È por esta altura  que sente a vocação para escrever, e começa a cantar letras feitas por si:

  • Belos Tempos, Mãe há só Uma, Ciumenta, Menina do Rés-do-Chão, Quero-te mais do que à vida, Eu ontem e hoje, Um Fado a Marceneiro, Um Fado à Juventude e Um Copo mais um Copo, Estações de Amor, Rosa Peixeira, Dias Contados, Grande Verdade, Ti´Ana da Fava Rica, Deus queira, Cinco Bairros, Sou do Povo, Beijo Emprestado.

Dos seus poemas decerto o que mais êxito teve foi “ Belos Tempos” na música do fado “Loucura” de Júlio de Sousa, mas Fernando Farinha tem muitos êxitos de outros autores dos quais destaco:

  • Fado das Trincheiras letra de João Bastos e Félix Bermudes e Música de António Melo
  • Guitarra Triste letra e música de Álvaro Duarte Simões
  • Eterna Amizade letra de João Linhares Barbosa e música de Joaquim Campos

Mais tarde sempre inspirado começa também a compor, e a sua arte não fica por aqui começa, também a caricaturar as figuras com quem convive.

1955 - Comemora as suas “Bodas de Prata” de carreira artística no Coliseu dos Recreios em Lisboa e é premiado com a Guitarra de Prata.

1957 - A Rádio Peninsular atribui-lhe o galardão de a “Voz mais portuguesa de Portugal”

  • - É coroado Rei da Rádio Portuguesa numa gala organizada no Eden-Teatro, e ainda neste ano recebe o “Microfone de Ouro do RCP. Ainda neste ano no festival do Casino do Estoril recebe o “Disco de Ouro”.
  • - Foi-lhe atribuído o “Òscar da Imprensa” no Festival no Pavilhão dos Desportos

Protagoniza dois filmes “ O Miúdo da Bica” e “ A Última Pega”

 Ente finais dos anos 60 em diante faz digressões artísticas por todo o mundos, Bélgica, França, Inglaterra, Alemanha, África do Sul, Argentina e E.U.A..

Depois de 1974 faz parte do projecto “Cantar Abril”. A sua frontalidade ao assumir-se como um homem politicamente de esquerda, criou-lhe algumas inimizades, mas uma coisa é certa, Fernando Farinha tem um lugar na História do nosso Fado.

Em 1982, Manuel DaGraça,  seu amigo e empresário e proprietário da "Graça Records Company", produz um LP " Fernando Farinha - hoje e aqui - grande como sempre - UM FADINHO Á JUVENTUDE", o qual foi o seu último trabalho em disco,  tendo gravado doze temas. Apraz-me destacar o poema dedicado a Alfredo Marceneiro, logo após a sua morte,   em que se sente nas palavras que escreve, um grito de saudade/tristeza/revolta, de admiração e amizade, que ele nutria por aquele que foi o "Patriarca do Fado", e seu amigo.

Com Fernando Farinha.jpg

Um Fado a Marceneiro

Letra de Fernando Farinha

 À solta e desvairada, a morte certo dia

Entrou no velho pátio e ali quase em segredo

Num golpe traiçoeiro de raiva e cobardia

Maldosa nos levou p'ra sempre o Tio Alfredo

 

Ao chorar das guitarras, como se fosse um hino

Juntou-se a voz do povo, de Portugal inteiro

Tinha morrido o rei, fadista genuíno

O mais de todos nós, o grande Marceneiro

 

Sua garganta rouca, tinha o condão o bem

De nos dar fado a sério, sem ais, sem fantasia

Se o fado p'ra ser fado, algum segredo tem

Então esse segredo só ele o conhecia

 

Sempre que a noite chega, eu julgo ainda vê-lo

Fazendo a sua ronda p'los retiros do fado

De boné, ou mostrando o seu farto cabelo

E o seu lenço varino ao pescoço ajustado

 

Recordo as suas birras, e em grande cavaqueira

Seus gritos graciosos, se bem disposto estava

Oiço até o seu riso no Cacau da Ribeira

Onde, já madrugada, sua ronda findava

 

De Alfredo Marceneiro eu guardo um disco antigo

E um retrato dos dois sobre um fundo bairrista

Um fado ao desafio que ele cantou comigo

E uma eterna saudade desse enorme fadista

 

Fernando Farinha deixou-nos em 12 de Fevereiro de 1988.

Além da Rua que edilidade lhe atribuiu há pouco tempo, e de uma placa que o povo da Bica tem afixada numa parede do bairro, desconheço que lhe tenham sido prestadas mais homenagens (politiquices!?)

 
 
 
©Vitor Duarte Marceneiro - Biógrafo de Fernando Farinha - 2014 Edição Tradisom
A Guitarra que se vê  na foto foi construida pelo Guitarrista Manuel Mendes e neste momento está em exposição na Associação Cultural de Fado "O Patriarca do Fado" Alfredo Marceneiro
Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Maio de 2019

SINOS DE LISBOA

  
 
 SINOS DE LISBOA

 Por: Silva Tavares

 

Sinos de Lisboa!

Vozes de piedade!...

Como todos nós, nesta transitória vida

que, mal soa se apaga - em verdade,

cada um de vós tem a sua história.

 

São Domingos, Madre Deus, São Lourenço

— todos, rua em rua!...

Vibrai!... Que vos dá do cão que vos ladre,

com a falta de senso com que ladra à lua?..

Vibrai... Deixai lá!

 

Nos sinos de São Vicente de Fora,

a glória prevista por Afonso - ecoa.!

— Voz da Fundação, atesta e memora

a dura conquista da nobre Lisboa.

 

Nos sinos plangentes da Conceição Velha,

sente-se o registo que em bronze proclama,

de entre cinzas quentes, a extinta centelha

dos freires de Cristo e os fastos de Alfama!

 

E os sinos da Sé? Que forte rebate!...

Bem surdos sereis se os não distinguis,

divulgando a Fé, chamando ao combate,

proclamando reis — sonoros, febris!

 

Longe, vagamente, dou p 'los de Belém,

como quando as velas demandavam Goa!

Como quando a gente de prole e de bem,

ficava por elas rezando, em Lisboa!

 

E oiço os de São Roque, na eterna velada

de um áureo passado!

Oiço-os e pressinto seu alegre toque,

saudando a chegada do coche doirado de Dom João V.

 

Mais triste de ouvir é o vosso dobrar,

sinos da Memória! Soa a vendaval!...

Teima em repetir, com voz de assustar,

a trágica história Távoras-Pombal!...

 

 Os sinos da Graça

— que evocam o vulto de Albuquerque

— dão lampejos escassos do fervor da Raça,

no seu velho culto pela procissão do Senhor dos Passos.

 

E ali nos da ermida da Saúde, à -Guia,

passa — cm voz quente de sinceridade­

não sei que outra vida de outra Mouraria,

da qual inda há gente que sente saudade!

 

Mas hoje — mal fora

só estar memorando! ­não são menos belas

as vozes dos sinos de Nossa Senhora de Fátima,

quando pairam sobre as velas votivas e os hinos!

 

Se não envelhece dos outros a voz,

na destes, tão nova, por que não havia

de ir a viva prece, que é de todos nós,

numa clara prova da Fé de hoje em dia ?

 

Porque não havia de ir, no sobressalto

trémulo de um sino, pousar, sem labéu,

aos pés de Maria?  E vai ! Vai, tão alto,

que o nosso destino se grava no Céu!

 

 

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 11 de Maio de 2019

Florbela Espanca - 1894-1930

 Florbela de Alma da Conceição, nasceu em Vila Viçosa a 8 de Dezembro de 1894, e faleceu em Matosinhos a 7 de Dezembro de 1930.
Aos sete anos, faz seu primeiro poema, A Vida e a Morte.  Foi uma das primeiras mulheres a ingressar no curso secundário no Liceu de Évora, facto não muito bem aceito por professores e a sociedade da época.  
Em 1916, Florbela reúne uma colectânea de 88 poemas de sua autoria e três contos, com o título “Trocando Olhares. Em 1917, completa o 11º ano do Curso Complementar de Letras e logo ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.  
Em 1927 Florbela perde seu irmão Apeles num trágico acidente, facto que muito a abalou psicologicamente, publicando o livro de contos “Às Máscaras do Destino” em sua memória. 
Em dois de Dezembro de 1930, Florbela encerra seu Diário do Último Ano com a seguinte frase: “… e não haver gestos novos nem palavras novas.” Às duas horas do dia 8 de Dezembro, dia do seu aniversário, Florbela Espanca suicida-se, em Matosinhos.   

Algumas décadas maia tarde como era seu desejo, os seus restos mortais são transportados para a sua terra natal, Vila Viçosa.

 

Poema AMAR

Canta e é autora da música 

Teresa Silva Carvalho

 

 

 

 

 

 

 Carta de Florbela Espanca a uma amiga

 

 

 

                                              Vila Viçosa, Setembro 1916

    

JÚLIA

 

Agora, quero contar-te uma coisa que me enterneceu deveras, uma noite destas.  

O luar caía límpido e claro como água, jorrando duma fonte perdida no infinito ...  

Eram 24 horas ... eu sonhava! ... Nisto, uma voz ergueu-se, uma voz acariciadora, pungente na toada pun­gentíssima do fado tão querido à alma portuguesa, sabes o quê, minha Júlia? Essas minhas despretensiosas quadras que o Suplemento publicou, tão" pobres, tão ingénuas, tão sentidas, que o povo humilde as acolheu e as canta! como diz o nosso suave Augusto Gil. Até hoje nem um único elo­gio me comoveu assim.

Tenho-os ouvido vibrantes e enternecidos, lisonjeiros sempre, mas quase sempre amigos, e nunca, nunca como este tiveram o dom de me arrasar os olhos de águas.

Ficaram, desde esta noite profunda de luar) as   minhas pobres quadras) sagradas para mim. Cantou-as a boca do povo, beijou-as a boca do povo, e é como se toda a alma rústica e humilde do meu Portugal beijasse com infinito amor a minha, nesses humildes versos, tão pobres… tão in­génuos ... tão sentidos!

 

Beija-te a tua

 

Florbela Espanca.

  

 

O FADO de Florbela Espanca

 

Corre a noite de manso, num murmúrio,

Abre a rosa bendita do luar,

Soluçam ais estranhos de guitarra,  

Um gemido de amor anda no ar.

  

Há um repouso imenso em toda a terra,  

Parece a própria noite a escutar  

E o canto continua mais profundo

Que página sentida de Mozart!

 

E' o fado. A canção das violetas

Que foram almas tristes de poetas

P'ra quem a vida foi uma desgraça!

   

Minha doce canção dos deserdados,  

Meu fado que alivias desgraçados

Bendita sejas tu, cheia de graça.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Maio de 2019

Dom Vicente da Câmara - 1928 - 2016

Vicente Camara.jpg

Dom Vicente Maria do Carmo de Noronha da Câmara, conhecido artisticamente por Vicente da Câmara, nasceu  a 7 de Maio de 1928, em Lisboa na freguesia de Santa Catarina. Faleceu em Lisboa aos 88 anos no dia 28 de Maio de 2016.

É Bisneto do dramaturgo, poeta e jornalista D. João da Câmara, que se distinguiu desde novo pelo seu estilo pessoal (Fado das Caldas), que ninguém conseguiu até hoje imitar.

Vicente da Câmara estreou-se em público em 1948, com 20 anos na Emissora Nacional.

Acompanhando-se à guitarra, Vicente da Câmara mantém a tradição do fidalgo fadista, fiel ao fado castiço, não dispensando os outros acompanhadores.

Gravou vários discos com um repertório muito próprio para o seu estilo de cantar.

Vicente da Câmara cantou em festas e espectáculos por todo o País (incluindo Açores e Madeira), em Angola, Moçambique, África do Sul, França, Alemanha.

Actuou no S. Luís na Festa de Homenagem a Alfredo Marceneiro em 1963.

Em 1983/1984, em Hong-Kong, China Continental e Macau, território aonde voltaria outras vezes, a última delas em 1990.

Tem um filho que lhe segue as pisadas no Fado, o  José da Câmara e outros seus descendentes também cantam.

Teve um enorme êxito com o Fado das Caldas, mas dos seus fados mais conhecidos, com letra da sua autoria é decerto:

 

A MODA DAS TRANÇAS PRETAS

 

Como era linda com seu ar namoradeiro,

Até  lhe chamavam menina das tranças pretas.

Pelo Chiado caminhava o dia inteiro

Apregoando raminhos de violetas.

 

E as raparigas de alta-roda que passavam

Ficavam tristes a pensar no seu cabelo.

Quando ela olhava, com vergonha disfarçavam,

E pouco a pouco todas deixaram crescê-lo.

 

Passaram dias e as meninas do Chiado

Usavam tranças enfeitadas com violetas.

Todas gostavam do seu novo penteado

E assim nasceu a moda das tranças pretas.

 

Da violeteira já ninguém hoje tem esperanças.

Deixou saudades, foi-se embora, e à tardinha

Está o Chiado carregado de mil tranças,

Mas tranças pretas, ninguém tem como ela tinha.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 09:07
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Maio de 2019

Artur Ribeiro - Poeta e Fadista 1923-1988

Artur Ribeiro.jpg

Artur Ribeiro nasceu no Porto em 1923, mas cedo vem para Lisboa e aqui fica radicado, onde se envolveu no meio-fadista, não só pela sua qualidade de poeta, mas também as suas qualidades de convivência com os seus pares
Foi quanto a mim o poeta que fez um dos poemas mais lindos sobre Lisboa:
-  Canção de Lisboa - A Grande Marcha de Lisboa 1965 – Só Lisboa - Lisboa à meia-noite - Adeus Mouraria e muitas mais.
O seu reportório registado na Sociedade Portuguesa de Autores desde 1949, com mais de mil poemas, que para além do Fado Tradicional, tem temas para o Fado-Canção, folclore, marchinhas, bailinho, etc… Cachopa do Minho, A Rosinha dos Limões, A Fonte das Sete Bicas, Sete Saias, Nem às Paredes Confesso, Pauliteiros do Douro, Eu nasci Amanhã, O Meu Coração Parou, Adeus Mouraria, Lisboa à meia-noite, Fiz Leilão de Mim, Anda o fado Noutras Bocas,
É Urgente que Venhas, Vielas de Alfama, O Meu Coração Parou, etc.

Fez várias parcerias com Fernando Farinha  com Max, que foram êxitos ainda hoje recordados,  raro foi o artista que não tenha cantado poemas  da sua autoria.
Conheci o Artur Ribeiro e convivi com ele desde muito jovem, meu pai e meu avô eram seus grandes amigos, era uma pessoa muito
afável e de uma clarividência intelectual notável, aprendi muita coisa em ouvilo, ficou-me a honra de ter gravado um poema seu, que escreveu de propósito para mim,  a que deu o título “Ser Mais Um Entre Tantos”  ao receber o poema, e  ao lê-lo,  logo me apercebi que aqueles versos, tinha a ver comigo,  pois constatei que aquele grande “Senhor e Poeta” durante aqueles anos em  que falava com o rapazinho que eu era,  como ele me levava a sério, nas conversa que tinha comigo,   e eu naquela altura,  já homem, ia  fazer  28 anos, ao saber que eu ia gravar, escreve num poema para Fado,  tudo aquilo que viu em mim desde miúdo,  analisando a minha maneira de ser e de estar na vida que colocou em verso. (ver poema mais abaixo)
Ser Mais Um Entre Tantos

Letra de: Artur Ribeiro   
Música de: Alfredo Marceneiro

Ser mais um entre tantos
Não é Mundo que baste
Seguir religiões
Das quais não sou devoto
Obedecer a quantos
Me dizem que me afaste
Ouvir lamentações
A fingir que me importo

Ser vela deste mar
Onde não sopram ventos
Ser grito de rua
Que ninguém entendeu
Um sonho de cantar
Onde só há lamentos
Essa verdade nua
Que ninguém entendeu


Ser deste Mundo incrível
De gente introvertida
Que deixa pregar Santos
Onde tudo é vendido
P´ra ficar impassível
De cabeça caída
P´ra ser mais um entre tantos
Antes não ter nascido

ESTE POEMA, A MINHA GRAVAÇÃO EM DISCO E A CENSURA

Até finais dos anos cinquenta os artista tinham que ter um “Dossier” com o seu repertório aprovado pela censura, funcionava da seguinte forma, esse dossier estava sempre na posse do artista quando cantava em casa de fado ou noutros espectáculos públicos.

Algumas censuras eram tão estúpidas que veja que até que a Casa da Mariquinhas foi censurada.

Com já afirmei tive  o privilégio de conhecer e ser admirador desde muito miúdo de Artur Ribeiro, na altura em que a minha formação de cidadão consciente da sociedade em que vive começa a "querer respostas",tive muitas conversa com Artur Ribeiro, sei que de letras dele que nem sequer chegou a registar, pois sabia que não passavam na censura.

No inicio dos anos setenta deixa de haver a censura prévia, mas continua haver a repressão após a Gravação (ou seja,  já depois de editado e muitas vezes já à venda ao público), podia haver um senhor (da DGS ou mesmo da EN) que por alguma razão achava que o que estava a ouvir era contra os valores instituídos, e a DGS mandava retirar todo o material do mercado.

Artur Ribeiro em 1973 faz-me um poema que afirmou ser a forma como me via pelas conversas e discussões que tinha com ele, e gravei esse número para Valentim de Carvalho, tinha o título: "Ser mais um entre tantos" , acontece, que passado pouco tempo do seu lançamento fui gentilmente convidado pelo Sr. Inspector Dr. Rosa Casaco (1), para ter uma conversa comigo sobre esse tema ( que considerava  ser contrário á ordem vigente).

No caso do poema do Artur Ribeiro. o que incomodava os Censores  era esta frase, "Seguir religiões das quais não sou devoto..." e  "Ser deste Mundo incrível, que deixa pregar Santos", enfim como podem verificar estes versos estavam dentro do contexto de todo o poema. Com algum charme e persuasão consegui demo-vê-los da retirada do disco., mas acabou por ser proibido de ser passado na Rádio Renascença e na Emissora Nacional.

(1): Rosa Casaco, (Amador de fotografia e conhecedor da poda) era cliente assíduo da Foto-Cine, no Chiado junto ao elevador de Stª Justa,  onde eu pela minha paixão pela fotografia  lá estava assiduamente pois o Amadeu Ferrari, os filhos Vítor  Ferrari e Nuno Ferrari eram amigos do meu avô e eu era considerado como de família, lá fui apresentado como neto de Alfredo Marceneiro ao PIDE Dr. Rosa Casaco, que me confidenciou que era admirador de meu avô, mas que não gostava de alguns dos Fados que ele cantava, e sempre que me encontrava me cumprimentava com cerimónia  ) facto porque esta chamada de atenção foi mais em termos de aviso … Cuidado não se exceda) aliás mais tarde também fui chamado quando gravei com meu avô em dueto “ O Camponês e o Pescador” ver  em:

 https://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/victor-duarte-discos-e-censura-330996

 https://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/recordar-o-passado-para-viver-o-futuro-102684

©Vitor Duarte Marceneiro



Contacto com o autor: clicando aqui
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Maio de 2019

DIA DA MÃE - 2019

dadi&Filhos6.jpg

Saúdo e dou Graças a Deus pela mãe dos meus filhos
O 1º Domingo do mês de Maio, foi convencionado passar a  ser o dia da mãe, saúdo as mães de todo o Mundo, com especial carinho para aquelas que acabam por passar os seus últimos dias de vida, ou sozinhas nas suas casas ou em lares, e tantas vezes esquecidas e desamparadas.

SE PARA SER HOMEM, JESUS,

PRECISOU QUE UMA MULHER

O DESSE Á LUZ NESTE MUNDO

O AMOR DE MÃE É A LUZ

QUE TORNA O NOSSO VIVER

NUM HINO DE AMOR PROFUNDO

 

Maria das Dores ( a avó Maria)  e Vítor Duarte

Minha mãe partiu com 25 anos, tinha eu cinco anos, mas quando eu já sabia escrever, era à minha saudosa avò Maria,  que eu escrevia uma mensagem de amor de filho,  como se da minha mãe se tratasse,  porque ela na realidade foi um "grande mãe" a ela lhe devo tudo o que sou,  era no dai 8 de Dezembro que durante muitos anos era celebrado o DIA DA MÃE.

 

Contacto com o autor: clicando aqui
Viva Lisboa: QUE SAUDADES AVÓ MARIA
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

a severa

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fadista bailarino

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

fernando pinto ribeiro

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

poeta e escritor

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags