Sábado, 10 de Março de 2012

AQUILINO RIBEIRO- 10º Cidadão a ser trasladado para o Panteão Nacional.

Aquilino Ribeiro morre no dia 27 de Maio de 1963, que era também o ano em que se comemorava o cinquentenário da sua vida, de escritor e homem público. Nessa mesma hora a Censura comunicava aos jornais não ser mais permitido falar das homenagens que lhe estavam a ser prestadas.
Alguém inquiriu António de Oliveira Salazar, sobre a figura de Aquilino Ribeiro, a que este respondeu:
— É um inimigo do Regime. Dir-lhe-á mal de mim; mas não importa: é um grande escritor.
 
AQUILINO RIBEIRO (1885-1963)
É considerado por alguns como um dos romancistas mais fecundos da primeira metade do século XX., mantendo uma qualidade literária na maioria dos seus textos, publicados com regularidade e êxito junto do público e da crítica.

Aquilino Gomes Ribeiro nasce em 1885 no Carregal, concelho de Sernancelhe.

 Entre 1895 e 1904, faz os seus estudos, chegando por desejo da mãe a frequentar um Seminário em Beja, mas abandona os estudos pois não se sente vocacionado para o sacerdócio. Regressa a Soutosa, mas o gosto pela escrita é latente e sente que tem que buscar novos horizontes, partindo para Lisboa, corria o ano de 1906.

Adere ao movimento republicano e passa a colaborar no jornal republicano “A Vanguarda”.

Em 1907, é o ano em se inicia a sua obra, em parceria com José Ferreira da Silva escrevendo “A Filha do Jardineiro”. Trata-se de uma obra de ficção, mas de propaganda republicana e de crítica às figuras do regime. Neste mesmo ano adere à maçonaria entrando para a Loja Montanha do Grande Oriente Lusitano, a convite de Luz de Almeida, tendo sido passado pouco tempo  preso como anarquista,  na sequência de uma explosão no seu quarto,  na qual morre um carbonário.

Em Janeiro do ano seguinte, evade-se da prisão e passa à clandestinidade, mantendo os contactos com os regicidas, refugiando-se numa casa pertencente  a Meira e Sousa, na Rua Nova do Almada, em frente ao Tribunal da Boa Hora.

Em 1910  está em França a estudar na Faculdade de Letras da Sorbonne. Em Paris conhece Grete Tiedemann, por quem se apaixona.

Reside alguns meses na Alemanha, e em 1913 casa com Grete Tiedemann e regressa novamente a Paris. E é neste ano que publica o livro de contos “Jardim das Tormentas”.

Em 1914, nasce o seu primeiro  filho, Aníbal Aquilino Fritz,  regressando a Portugal, sem ter terminado a licenciatura,  conseguindo em Lisboa, colocação como professor no Liceu Camões, onde se manterá durante três anos.

Em 1918, Aquilino publica o romance “A Via Sinuosa”.

A convite de Raul Proença em 1919, entra para a Biblioteca Nacional de Portugal, e passa a conviver com o chamado “grupo da Biblioteca” onde pontificam Jaime Cortesão e Raul Proença. É ainda em 1919 que publica “Terras do Demo”.

É na Biblioteca Nacional que Aquilino Ribeiro é procurado por pessoas das suas relações para lhe mostrarem uma Acta do Regicídio.

Faz parte da direcção da revista Seara Nova, revista de cariz cultural, sendo um veículo de debate político.

Em 1922, publica O Malhadinhas integrado no livro Estrada de Santiago.

Andam Faunos pelos Bosques é publicado em 1926.

Entra na revolta de 7 de Fevereiro de 1927, em Lisboa, cujo desfecho o leva exilar-se em Paris. Entretanto morre sua mulher e  ainda nesse ano regressa a Portugal, clandestinamente.

Logo em 1928, entra na revolta de Pinhel, e é encarcerado no presídio de Fontelo (Viseu), conseguindo novamente evadir-se, e mais uma vez volta a Paris.

Em 1929 ainda em Paris, casa-se com  Jerónima Dantas Machado, filha de Bernardino Machado. Entretanto em Lisboa é julgado à revelia em Tribunal Militar, e condenado.

Em 1930, nasce o seu segundo filho, Aquilino Ribeiro Machado, e publica O Homem que Matou o Diabo.

Em 1931 , vai viver para a Galiza, mas logo no ano seguinte volta a Portugal clandestinamente e fixa residência na Cruz Quebrada. Edita A Batalha Sem Fim. Neste mesmo ano (1932) é-lhe atribuído o Prémio Ricardo Malheiros, da Academia das Ciências de Lisboa, pelo seu livro As Três Mulheres de Sansão.

Em 1933 edita Maria Benigna.

A Academia das Ciências de Lisboa, em 1935 elege-o sócio correspondente.

Em 1936 edita Aventura Maravilhosa, e no ano seguinte S. Bonaboião, Anacoreta e Mártir. Em 1939 é a vez de editar o livro Mónica, em 1941, O Servo de Deus e a Casa Roubada., em 1943, Volfrâmio, em 1945 Lápides Partidas, em 1946 Aldeia, Terra, Gente e Bichos, em 1947, Caminhos Errados, e O Arcanjo Negro, em 1948, Cinco Réis de Gente, e em 1951 Geografia Sentimental.

1952 - Faz uma viagem ao Brasil onde é homenageado por escritores e artistas, na Academia Brasileira de Letras.

1956 - É fundador e presidente da Sociedade Portuguesa de Escritores.

1957 - Publica A Casa Grande de Romarigães.

1958 - Publica Quando os Lobos Uivam. É nomeado sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa. É militante activo na candidatura de Humberto Delgado à Presidência da República.

Em 1959, é publicado O Romance da Raposa,  e em 1960 é proposto para o Prémio Nobel da Literatura por Francisco Vieira de Almeida, proposta subscrita por José Cardoso Pires, David Mourão-Ferreira, Urbano Tavares Rodrigues, José Gomes Ferreira, Maria Judite de Carvalho, Mário Soares, Vitorino Nemésio, Abel Manta, Alves Redol, Luísa Dacosta, e Vergílio Ferreira, entre muitos outros. Segundo alguns círculos monárquicos, Sofia Mello Breyner, cuja família possuiria documentação sobre o regicídio, teria dito que não foi considerado elegível porque «a sociedade não dá prémios Nobel a assassinos». (esta afirmação carece de confirmação por fonte fidedigna)

Em 1962, nasce-lhe a primeira neta, Mariana, a quem dedica O Livro da Marianinha.

Em 1963 é homenageado em várias cidades do país por ocasião dos cinquenta anos de vida literária, e publica A Casa do Escorpião.

Por ironia do destino morre no dia 27 de Maio deste mesmo ano em que se comemorava o seu Cinquentenário de Escritor e Figura Pública.

1972 - É publicado o livro de memórias “Um Escritor Confessa-se”, em que José Gomes Ferreira no prefácio escreve, Aquilino sabe mentir a verdade.

2007 - A Assembleia da República decide homenagear a sua memória e conceder aos seus restos mortais as honras de Panteão Nacional. A transladação será levada a efeito dia 19 de Setembro de 2007.

 Fonte: Várias na Net sendo a metodologia de intercalar as "fontes" de acordo com meu critério.

 
Eis um excerto de uma obra sua que muito tem a ver com Lisboa.
«(…) Eu via com os olhos não pasmados, que nunca soube o que era pasmo, mas abertos à compreensão, as grandes e amarelas tartarugas dos carros eléctricos vir rolando dos lados do Terreiro do Paço, tilintantes e pletóricas de gente. Logo após vinha o carro do Chora, com o automedonte de longos bigodes retorcidos a reger de chicote vivaz o tiro de três machos pimpões, o condutor de boné de pala, e atropeladamente naquela arca de Noé de peixeiras, vendedeiras de hortaliça e de coelhos mansos, operários com suas ferramentas, em suma, segundo o termo das Ordenações Manuelinas, os misquinhos de uma capital. (…) Todavia não pressenti o sumptuoso, nem o deliquescente de uma urbe meridional, de que os poetas e romancistas faziam cavalo de batalha nas suas especulações cantarizadas. Antes havia nela, nos habitantes, no céu, nas coisas, uma sobriedade afável que era grata de sentir. E por isto tudo, por essa desilusão literária, e porque representava para mim um degrau montante na escala dos conhecimentos, fiquei a adorar Lisboa desde esse dia.»
In: Aquilino Ribeiro, Um Escritor Confessa-se, cap. II, págs. 51-52, ed. Livraria Bertrand, Lisboa, 1972.  
publicado por Vítor Marceneiro às 18:00
link do post | comentar | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Maio 2021

Fevereiro 2021

Junho 2020

Maio 2020

Março 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

a severa

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fadista bailarino

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

fernando pinto ribeiro

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

poeta e escritor

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags