Segunda-feira, 12 de Outubro de 2015

DEOLINDA RODRIGUES

 

Deolinda Rodrigues Veloso nasceu em Lisboa, em Telheiras a 30 de Dezembro de 1924,

Foi na Sociedade de Recreio União Familiar de Telheiras que dá os seus primeiros passos como cantora de fados, ainda criança.

Em 1944 ganhou um concurso  organizado pelo Diário Popular, denominado “Concurso da Primavera” tendo ficado em 2º Lugar. É nesta altura que chama a atenção ao empresário José Miguel, que a contrata para o “Retiro dos Marialvas”, cantou ainda no Casablanca.
A partir de então levou a sua voz à rádio, ao teatro de Revista, à televisão e ao cinema.
Participou em diversos filmes, desde “Cantiga da Rua” (1950), “O Passarinho da Ribeira” (em 1960), passando por “O Noivo das Caldas” com António Silva (1956) e “Madragoa” e (1952).

No teatro de revista estreou-se no Teatro Apolo com a peça “Cartaz da Mouraria”, ao lado de Hermínia Silva e Barroso Lopes. Actuou, ainda, em diversas operetas.
Participou regularmente nos programas da Emissora Nacional.

Também para a RTP, Deolinda teve diversas aparições.
Fez várias digressões por Espanha, França, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Venezuela e Brasil, e ainda nas antigas colónias de Angola e Moçambique.

Cantou em quase todos os restaurante típicos, locais onde ainda hoje afirma, serem o melhor ambiente para cantar o Fado.

Em 1996 participou na telenovela “Vidas de Sal”.

Comemorou os 60 anos de carreira em 2005 com um espectáculo no Fórum Lisboa.
Foi-lhe atribuída a Medalha Municipal de Mérito, Grau Prata.

Faleceu em Lisboa na Casa do Artista onde estava alojada no dia 11 de Outubro de 2015.

 

 

Viva Lisboa: Fadistas de antigamente
música: Minha Filha
publicado por Vítor Marceneiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 15 de Maio de 2007

Recordar Deolinda Rodrigues

  Deolinda Rodrigues canta " Lisboa Mulher"

Letra de: Júlio IsidroMúsica de: João Henrique

  

 DEOLINDA RODRIGUES

Deolinda Rodrigues Veloso nasceu em Lisboa, a 30 de Dezembro de 1924
Em 1944 ganhou um concurso organizado pelo Diário Popular.
Começou muito jovem a sua carreira como cantadeira no Casablanca.
A partir de então levou a sua voz à rádio, ao teatro de Revista, à televisão e ao cinema.
Participou em diversos filmes, desde “Cantiga da Rua” (1950), “O Passarinho da Ribeira” (em 1960), passando por “O Noivo das Caldas” com António Silva (1956) e “Madragoa” e (1952).
No teatro de revista estreou-se no Teatro Apolo com a peça “Cartaz da Mouraria”, ao lado de Hermínia Silva e Barroso Lopes. Actuou, ainda, em diversas operetas.
Foi presença regular nos programas da Emissora Nacional.
Fez várias digressões por Espanha, França, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Venezuela e Brasil.
Em 1966 integrou o  elenco, na telenovela “Vidas de Sal”.
Comemorou os 60 anos de carreira em 2005 com um espectáculo no Fórum Lisboa.
Foi-lhe atribuída a Medalha Municipal de Mérito, Grau Prata.
 

Deolinda Rodrigues

 

Dotada de arte e bom gosto

No seu jeito delicado,

A Deolinda marca um posto

Dos mais altos que há no Fado!

 

Subiu momento a momento

E logo breve se impôs,

P´la força do seu talento

E o mimo da sua voz!

 

Nesta Artista nunca finda

O que de bom ela tem,

È Deolinda por ser linda

Rodrigues por cantar bem!

 

Versos de: Carlos Conde

 


 

 

Lisboa Mulher
Repertório de Deolinda Rodrigues
Letra de: Júlio Isidro
Música de: João Henrique
 
 
                                                   Há lá coisa mais bonita
                                                   Que Lisboa num desejo
                                                   É alguém que eu sinto minha
                                                   É alguém que eu sinto minha
                                                   Para depois cobrir num beijo
 
                                                  Que eu quero cobrir num beijo
                                                  E apertar num só abraço
                                                  Possuir no meu olhar
                                                  Possuir no meu olhar
                                                  O teu corpo passo a passo
 
                                                              Refrão
 
                                                  Lisboa não se deita a qualquer hora
                                                  Lisboa só se deita com quem quer
                                                  Lisboa sabe bem com quem namora
                                                  Lisboa é o bem de um malmequer
                                                  Lisboa faz amor só por amor
                                                  Lisboa tem desejos de mulher
                                                  Lisboa tens o cheiro, tens a cor
                                                  Lisboa tens tudo o que eu quero ter
 
                                                 Há lá coisa mais bonita
                                                 Que ver Lisboa a sorrir
                                                 Tua boca é um apelo
                                                 Tua boca é um apelo
                                                 Que não me deixa fugir
 
                                                 Há lá coisa mais bonita
                                                 Do que ver Lisboa nua
                                                 A dançar à minha frente
                                                 A dançar à minha frente
                                                 Vestida com luz da lua
 

 

música: Lisboa Mulher
publicado por Vítor Marceneiro às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Clique aqui para se inscrever na
Associação Cultural de Fado

"O Patriarca do Fado"
Clique na Foto para ver o meu perfil!

arquivos

Junho 2020

Maio 2020

Março 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Agosto 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Aguarelas gentilmente cedidas por MESTRE REAL BORDALO. Proibida a sua reprodução

tags

10 anos de saudade

2008

50 anos de televisão

a severa

ada de castro

adega machado

adelina ramos

alberto ribeiro

alcindo de carvalho

alcino frazão

aldina duarte

alfredo correeiro

alfredo duarte jr

alfredo duarte jr.

alfredo duarte júnior

alfredo marcemeiro

alfredo marceneiro

alice maria

amália

amália no luso

amália rodrigues

américo pereira

amigos

ana rosmaninho

angra do heroísmo

anita guerreiro

antónio dos santos

antónio melo correia

antónio parreira

argentina santos

armanda ferreira

armandinho

armando boaventura

armando machado

arménio de melo - guitarrista

artur ribeiro

beatriz costa

beatriz da conceição

berta cardoso

carlos conde

carlos escobar

carlos zel

dia da mãe

dia do trabalhador

euclides cavaco

fadista

fadista bailarino

fado

fado bailado

fados da minha vida

fados de lisboa

feira da ladra

fernando farinha

fernando maurício

fernando pinto ribeiro

florência

gabino ferreira

guitarra portuguesa

guitarrista

helena sarmento

hermínia silva

herminia silva

joão braga

josé afonso

júlia florista

linhares barbosa

lisboa

lisboa no guiness

lucília do carmo

magusto

manuel fernandes

marchas populares

maria da fé

maria josé praça

maria teresa de noronha

max

mercado da ribeira

miguel ramos

noites de s. bento

oficios de rua

óleos real bordalo

paquito

patriarca do fado

poeta e escritor

porta de s. vicente ou da mouraria

pregões de lisboa

raul nery

real bordalo

santo antónio de lisboa

santos populares

são martinho

teresa silva carvalho

tereza tarouca

tristão da silva

vasco rafael

vítor duarte marceneiro

vitor duarte marceneiro

vítor marceneiro

vitor marceneiro

zeca afonso

todas as tags